Resenha: O Brasil não cabe no quintal de ninguém

Ilustração da capa do livro de Paulo Nogueira


Recentemente, em entrevista ao portal 247, o economista Paulo Nogueira Batista Júnior foi perguntado sobre o título de seu mais novo livro: "O Brasil não cabe no quintal de ninguém". 

Por conta do momento, eu diria, mais subserviente, adulador e capacho de um governo brasileiro ao imperialismo estadunidense como jamais visto, o seu editor perguntou brincando, segundo o relato do autor, se aquele não seria um título mais cabível a um livro de ficção

E pensar que, menos de 10 anos atrás, era tudo muito diferente... É esta a sensação que revivemos ao lermos o citado livro de Paulo Nogueira, que nos mostra o momento de um Brasil grande, respeitado, de cabeça erguida perante o mundo, credor do FMI e motor dos BRICS.
 

Paulo fora diretor executivo da cadeira brasileira do Fundo Monetário Internacional durante o segundo mandato do presidente Lula e o primeiro da Dilma, tendo participado de discussões de reformas importantes na instituição bem no momento em que repercutia a grave crise econômica dos países desenvolvidos em 2008, tendo presenciado por diversas vezes como os norte-americanos e os europeus burlaram todas as regras para usar as verbas do fundo a favor dos seus aliados. 

Uma Europa decadente ainda dá as cartas 


Na verdade, Paulo Nogueira deixa claro como, ao contrário do que pode se pensar, é a Europa atuando em bloco e não os EUA que operam de modo egoísta, pensando sempre nos seus próprios interesses imperialistas. O FMI foi criado na primeira metade do século XX saído das negociações de Bretton Woods, e hoje, mais de 70 anos depois, vemos uma Europa cada vez mais irrelevante no panorama econômico mundial se agarrar a seus privilégios históricos, tendo mais poder dentro da instituição do que de fato representa a realidade

Paulo Nogueira deixa bastante claro as vezes em que europeus atuaram juntos para vetar quaisquer reformas que pudessem mexer nessa hegemonia anacrônica, para dar mais poder a países emergentes. Uma das grandes revelações do livro, certamente, que mostra os bastidores de como funciona o FMI por dentro. 

Superando o complexo de vira-latas


A obra relata como o Brasil teve papel destacado dentro da instituição, não obstante as severas tentativas de manchar a reputação do diretor executivo brasileiro por parte dos representantes dos países desenvolvidos, que não tinha pudores em desagradá-los, coisa com a qual os europeus não estão muito acostumados. Era o Brasil sendo grande, como sempre deveria ser, e não esse arremedo de país com uma representação diplomática  e membros de instituições financeiras internacionais fracos e covardes, que se prostram diante do império esperando migalhas de recompensas, como os nossos representantes atuais. 


Quanto a esse tipo de brasileiro no exterior, denominado "bufunfeiro", Paulo Nogueira tem uma descrição bastante interessante: 


Já que os países da periferia não podem ser governados diretamente por estrangeiros, porque seria muito acintoso, convém treinar as elites periféricas. Vou usar uma palavra até mais forte: trata-se de adestrar as elites da periferia, de condicioná-las a pensar e agir de determinadas maneiras. Cria-se, assim [...] uma tecnocracia financeira apátrida, que ocupa boa parte dos postos de comando nos ministérios de finanças e nos bancos centrais dos países em desenvolvimento. Muitas vezes a passagem pelo ministério ou banco central é apenas um degrau, um passo para postos importantes no sistema financeiro local e internacional.* 

Na época em que escreveu essa valiosa descrição, ela servia ao então ministro da Fazenda de Dilma Rousseff, Joaquim Levy, hoje (surpresa!) diretor do Banco Safra e deixa a gente com ainda mais raiva pela ex-presidenta ter colocado tal representante do setor financeiro no seu governo. Hoje, essa descrição cabe como uma luva a outro capacho adestrado do capitalismo: Paulo Guedes, um verdadeiro chicago-boy doutrinado pelo e a serviço do imperialismo. 

Brasil como motor do BRICS


Foi muito aprazente tomar conhecimento de como o Brasil foi protagonista, senão na criação, mas no desenvolvimento do chamado grupo do BRICS, formado por gigantes como a China, a Rússia, a Índia — além da África do Sul, a partir de 2011. Apesar das idas e vindas, o BRICS representa a aliança geopolítica mais importante para o Brasil, e reativar firmemente as relações com os outros membros do grupo deve ser uma das principais estratégias de um próximo presidente progressista que por ventura venha a presidir o país, depois que esta tempestade distópica a qual estamos vivendo atualmente passar. 


O livro fecha com uma coletânea de artigos do autor publicados nos últimos anos nos principais veículos de mídia do país, abordando temas como nacionalismo, macroeconomia, escravidão moderna, etc. 

O livro vale para quem quer muito conhecer como funciona os bastidores do FMI, suas negociações e estratégias. Também nos causa uma certa nostalgia de um momento em que o Brasil era tratado como o que ele de fato é, uma das mais importantes nações do planeta, entre as maiores em economia, população e território. 

Seria bom que ele funcionasse como um chamamento às pessoas que estão por ora desorientadas, embasbacadas com os rumos tenebrosos que o nosso país tomou desde 2016. O Brasil já mostrou que pode dar certo. Só precisa identificar no seu seio as ervas daninhas, aqueles doutrinados, teleguiados e subalternos que estão em posições de poder, fazendo estragos enormes na nossa soberania, na nossa economia, e até na nossa auto-estima, afastá-los, puni-los e principalmente, criar mecanismos para que jamais voltem a ter o prestígio que ora gozam. 

O Brasil de fato, não cabe no quintal de ninguém. 
________________________________________

* BATISTA JUNIOR, Paulo Nogueira. O Brasil não cabe no quintal de ninguém: Bastidores da vida de um economista brasileiro no FMI e no BRICS e outros textos sobre nacionalismo e nosso complexo de vira-lata. São Paulo: Leya, 2019, p. 355.


2 Comentários

Faça seu comentário, sua crítica ou seu elogio abaixo. Sua participação é muito importante! Qualquer dúvida, leia nossos Termos de Uso

  1. Parece interessante esse livro. O que deixa triste mesmo é o PT ter sido fraco pra colocar um Joaquim Levy no comando da economia. Foi o começo do fim pra Dilma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente a presidenta Dilma sofreu pressões da oposição e cedeu, aplicando políticas de austeridade neoliberal acreditando assim acalmar os críticos. Mas na verdade essa sinalização foi interpretada como sinal de fraqueza, e realmente era. Ao trair a sua própria base, o governo ficou vulnerável a todos os ataques golpistas que culminaram na derrubada da presidenta do poder.
      O que a gente espera é que isso tenha servido de lição aos petistas, mas eu não tenho tanto otimismo.
      Grande abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Faça seu comentário, sua crítica ou seu elogio abaixo. Sua participação é muito importante! Qualquer dúvida, leia nossos Termos de Uso

Postagem Anterior Próxima Postagem