21 de outubro de 2018

Esquerda precisa resgatar bandeiras históricas para enfrentar o velho fascismo



Chegou no Brasil aquele momento que todos temíamos. O fascismo saiu às ruas, penetrou nas mentes e tomou conta do país. Atos de violência começam a pipocar aqui e ali, 50 em apenas uma semana. O estrago já está feito. Vença quem vencer, ninguém pense que aqueles que sentiram o gostinho de praticar a violência contra os mais vulneráveis vão se recolher a seus pacatos afazeres novamente. A questão é: como enfrentá-los com uma esquerda que se autodestruiu nos últimos anos?

Não acredito em teorias conspiratórias lunáticas como os Illuminatti e Nova Ordem Mundial, que fica mais a cargo de cristãos supersticiosos. Mas não sou ingênuo a ponto de não acreditar que os grandes capitalistas do mundo, além de países como os Estados Unidos e seus aliados, possam articular situações no mundo que favoreçam seus interesses. Assim foi com a chamada "Primavera Árabe" mais recentemente, que, com a desculpa da levar democracia a países cujos governos não eram alinhados com o Imperialismo, acabou degenerando em governos violentos e autoritários, muitos deles sob a ameaça de grupos fundamentalistas apoiados financeiramente pelos capitalistas.



Mas temos diversos outros exemplos históricos de como estes países centrais incitam a extrema-direita de populações cujos governos na periferia do mundo incomodam o sistema capitalista mundial. Basta citar a queda de governos legítimos na América do Sul como no Brasil nos anos 60 e no Chile nos anos 70 como exemplares da interferência estadunidense na incitação de oposição interna, que culminou com ditaduras de direita.

A Venezuela é outra vítima dessa tática criminosa atualmente. A oposição local, de acordo com documentos vazados pelo Wikileaks, foi financiada por ONGs com ligação com os Estados Unidos para tentar a todo custo derrubar o incômodo governo bolivariano. E assim tem sido nos casos do Haiti, Nicarágua, Paraguai, entre outros.

Leia mais: Revoluções coloridas, o golpe do século XXI


Para o pesquisador Mark Weisbrot, do instituto Center for Economic and Policy Research, de Washington, organizações ligadas aos Estados Unidos que financiam a oposição pelo mundo, como a IRI (International Republican Institute) e Freedom House "não estão promovendo a democracia".

“Na maior parte do tempo, estão promovendo exatamente o oposto. Geralmente promovem as políticas americanas em outros países, e isto significa oposição a governos de esquerda, por exemplo, ou a governos dos quais os Estados Unidos não gostam”.  

Para que esta influência estrangeira seja bem sucedida, é preciso contar com o suporte de elementos internos alinhados com o ideal capitalista internacional numa cadeia que vai desde os grande empresários, passando pela mídia empresarial, as Forças Armadas, as Igrejas, que desempenham um papel importante na manipulação das massas, e a internet, até chegar no cidadão comum.

Foi exatamente essa cadeia (com exceção da internet que não havia na época) que fez ser possível a derrubada do governo João Goulart em 64. O resultado foram 21 anos de uma ditadura contraditória que cerceava as liberdades civis enquanto abria o mercado nacional para a indústria estrangeira e o envio de lucros para o exterior. 



Nos últimos anos essa articulação voltou a se alinhar perfeitamente para tentar apagar do mapa o Partido dos Trabalhadores. Uma estratégia em passo-a-passo tão bem executada que está prestes a levar mais uma vez ao poder um presidente autoritário nas liberdades civis e ultraliberal na economia, desta vez pelas vias "democráticas", bem ao gosto do mercado capitalista mundial. Com a contribuição de grande parte das esquerdas.

Tudo começou quando a modista tese do pós-modernismo saiu das Universidades e ganhou os corações do campo da esquerda, que despiu sua luta das teorias marxistas. Ora, pensavam eles, como lutar pela derrubada do Estado, se o próprio sistema passou a contestar (apenas teoricamente, pois na prática o Estado continua a servi-los) a legitimidade dessa instituição? Como fortalecer os partidos quando o próprio sistema em tese coloca em cheque sua capacidade de representar a população?  Não seriam lutas desnecessárias no atual cenário?

Toda a teoria política consagrada e que dava arrepios nos capitalistas foi trocada por representação de minorias, movimentos isolados, atomizados e desarticulados que lutam por interesses específicos sem dialogar entre si.

Movimento negro, das mulheres, dos homossexuais, todos eles antes guarnecidos sob a bandeira socialista passaram a lutar não contra o sistema capitalista, fonte em comum de todas as mazelas sociais, mas contra o "patriarcado", o "homem cis", o "machista", o "racista", perdendo de vista o fato de todos eles serem o resultado de como funciona o próprio sistema capitalista.

Enquanto isso, a direita aparou suas arestas para se organizar e derrotar a esquerda, tanto essa festiva e suas demandas pulverizadas quando a esquerda institucional representada pelo Partido dos Trabalhadores.


Começou tomando de assalto, em 2013, as manifestações de rua, que de tão pulverizadas, orgulhosamente "sem liderança partidária", foram se tornando luta contra a corrupção do governo, uma manobra estratégica pelas mãos da mídia, como bem mostrou Jessé Souza no livro A Radiografia do Golpe.

A pressão levou a outra etapa do golpe suave, o não-reconhecimento da eleição legítima de Dilma Rousseff em 2014. A direita bateu panelas e o som chegou ao Congresso, que passou a lançar as famosas pautas-bomba para desestabilizar o executivo — o país, na verdade — cujo presidente da casa, Eduardo Cunha, hoje preso, aproveitou o momento para lançar o Impeachment da presidenta com base em alegações inócuas e ilegítimas.

Dado o Impeachment, numa das cenas mais patéticas da história da política nacional, quando deputados corruptos defenderam a queda da presidenta em nome de deus e da família, com direito a homenagem a torturador, a direita obteve a sua primeira vitória depois de anos de derrota nas urnas: durante dois anos Michel Temer teve a condição — por não dever satisfações a nenhum eleitor — de colocar em prática a agenda pleiteada pelo sistema. Reformas antipopulares foram propostas e aprovadas, principalmente a histórica derrocada da CLT, coisa que nem os governos militares ousaram mexer.

Mas havia ainda um problema a resolver no horizonte: a sucessão presidencial nas eleições deste ano. Lula liderava com folgas as pesquisas de intenção de votos, e precisava, como foi, ser tirado da disputa, ou colocaria tudo a perder. Sérgio Moro, um juiz de primeira-instância com ligações suspeitas e não esclarecidas com o governo dos Estados Unidos, mandou prendê-lo com base em acusações frágeis num processo condenado por juristas internacionais. O caminho estava livre para o mercado assumir mais uma vez o governo do Brasil através de um de seus asseclas preferidos.



Mas então surgiu outro problema: a prisão não acabou com a popularidade de Lula, ele se mantinha firme na liderança e poderia transferir votos para o seu candidato petista. Por outro lado, o povo, cansado dos tucanos, dava uma votação baixa ao candidato preferido do mercado, Geraldo Alckmin, do PSDB. Os candidatos mais bem colocados, Marina Silva e principalmente Ciro Gomes, não inspiravam a confiança do sistema financeiro.

Nesse momento, as elites brasileiras, reunidas nas instituições que representam a superestrutura do sistema capitalista — judiciário, empresariado, igrejas, Forças Armadas, etc. — resolveram dar o golpe mais ousado dos últimos tempos. Fizeram um pacto com o demônio na pessoa de Jair Bolsonaro, o que mais tinha possibilidade de tomar o posto de preferido das elites. E este também fizera um pacto com o mercado.

De um mero capitão insignificante que passou ou últimos 30 anos no baixo-clero do Congresso sem aprovar nem duas leis, que falava apenas para seu pequeno nicho de fascistas e ultraconservadores, passou a ser o representante do mercado na política, assumindo o papel outrora do PSDB.

Trouxe para o governo um ultraliberal chancelado pelo mercado e contou com a assessoria de Steve Bannon, que usou dados de usuários do Facebook para influenciar digitalmente a campanha de Trump, assim como a internet é o motor da campanha de Bolsonaro, através das chamadas fake news. Assim a direita brasileira e a internacional alinham forças para derrotar a esquerda no Brasil.


Além disso, empresários doam diretamente dinheiro para disseminar propaganda difamatória contra o PT no whatsapp, enquanto pastores e padres das igrejas como Silas Malafaia fazem campanha aberta a favor de um apoiador da tortura e do ódio, enquanto a mídia não tira Bolsonaro do ar e as Forças Armadas elevam o tom como há décadas não ousavam fazer.




Para combater a ascensão do fascismo numa direita organizada e forte, infelizmente o povo trabalhador e as minorias não acordaram. Por falta de conhecimento histórico e teórico, cantavam músicas como "vamos derrotar o fascismo com amor" no recente protesto das mulheres no #elenão.

As esquerdas precisam se reorganizar. Foi a esquerda organizada, mesmo que com diferenças conceituais, que ajudou a varrer o fascismo na primeira metade do século passado no Brasil, no que culminou com a famosa revoada das galinhas verdes em São Paulo.

Com fascismo não se brinca, não se manda flores, é preciso enfrentá-los. Mas pra isso, é preciso resgatar o histórico de lutas das esquerdas, além de resgatar conceitos como luta de classes, ditadura do proletariado, relações de produção, entre outros, para se entender a realidade, como apenas o marxismo é capaz de proporcionar.

Leia mais: A esquerda pós-moderna não contribui com a luta dos trabalhadores

"Só a luta muda a vida", afirma um lema do PSOL, partido que representa as minorias. Mas no entanto, "Só a luta unificada muda a vida", pois o inimigo de todos nós é um inimigo em comum: o sistema capitalista e contra ele precisamos unir nossas forças e não separá-las como tem sido nos últimos anos, de preferência em torno de uma liderança estabelecida e sob um partido político que volte a representar a maioria dos trabalhadores, jovens, negros e mulheres, coisa que infelizmente o PT abdicou de fazer.



Anterior
Próximo

Professor de História, Mestre em História Política pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), carioca, usa este espaço para comentar sobre os assuntos da política e da sociedade de forma simples e clara, sem, no entanto, abrir mão do rigor da checagem dos fatos.

0 Comentários:

Leia nossos Termos de Uso