27 de outubro de 2016

Crise dos poderes é bom para o Brasil

Crise entre os poderes

Tudo começou quando um juizeco (nas palavras indignadas de Renan Calheiros) autorizou a Polícia Federal a fazer uma operação na casa do presidente do Senado e nas instalações da mesma. A Operação Metis resultou ainda na prisão de quatro policiais legislativos, acusados de obstruir as investigações da Lava Jato para proteger senadores e ex-senadores. Renan é investigado na Lava Jato, claro.

A resposta indignada do presidente do Senado à operação resultou na réplica da presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, embora de forma indireta. Disse ela que toda vez que um juiz é agredido, ela também é agredida. O embate continuou com a tréplica do presidente do Senado, dizendo que cabia a Ministra do Supremo a crítica ao juiz que teria usurpado prerrogativas do STF.

Provavelmente com medo da animosidade interferir negativamente nas suas acusações na Lava Jato perante o Supremo, Renan Calheiros pediu a intervenção do presidente ilegítimo. Este, com o novo hábito de resolver tudo com comida, resolveu marcar um jantar entre os membros dos três poderes para colocar ordem nesta casa da mãe Joana. No entanto, fazendo muito bem, a Ministra deu um migué qualquer e não foi ao banquete.

A quem interessa esse apaziguamento de ânimos, essa concordata entre o legislativo, o executivo e o judiciário?

Dizem que a paz é bom para o funcionamento das instituições, mas ao que parece, a intriga é muito mais!!

Segundo o jornalista Ricardo Boechat, o Supremo, presidido por Cármen Lúcia, pode adiantar os processos que Renan tem a responder na casa, inclusive de 2007; em contrapartida, o presidente do Senado ameaça desengavetar uma PEC que permite a demissão de juízes corruptos que, hoje, são “apenas” aposentados com direito ao total dos rendimentos. E como cereja do bolo, Michel Temer acredita que as más relações entre os poderes pode afetar negativamente o andamento da nefanda PEC 241, a mal afamada “PEC do fim do mundo”. O que podemos querer mais??

Rena e Michel querem a paz do rabo preso. “Não mexe comigo que eu não mexo contigo”. Querem a paz das negociatas. “Aprovem a PEC 241 que depois vocês terão benesses”. Como a concorrência dos cartéis, de fachada, combinada, que atenta contra o livre comércio, a paz artificial entre os poderes atenta contra a democracia.

Se o conflito é o que move a democracia, para que acordos a portas fechadas? Queremos mais é que o legislativo caia de pau no judiciário, que o judiciário arrebente com o executivo e que o executivo esculhambe com o legislativo.

A única coisa com o que eles não podiam esculhambar, foi justamente o que esculhambaram na cassação de Dilma Rousseff: A Constituição Federal. Agora tá valendo chute no saco e dedo no olho.

Anterior
Próximo

Professor de História, Mestre em História Política pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), carioca, usa este espaço para comentar sobre os assuntos da política e da sociedade de forma simples e clara, sem, no entanto, abrir mão do rigor da checagem dos fatos.

0 Comentários:

Leia nossos Termos de Uso