24 de novembro de 2015

2016 terá PIB negativo. O que o governo Dilma deve fazer?

O Brasil se encontra em recessão. Isso é notório, pois os resultados da má administração da macroeconomia nos últimos anos podem ser sentidos no bolso do trabalhador, com a carestia e a ameaça de desemprego rondando a cada mês. No entanto, se a expectativa era de um 2016 melhor, como acreditavam os analistas internacionais, agora a realidade nos mostra que a crise ainda está só começando.

Em documento enviado ontem à Comissão Mista do Orçamento (CMO) do Congresso Nacional, o governo admitiu que a previsão do PIB para o ano que vem, que era de 0,2%, agora foi corrigido para -1,9%.

Como se não bastasse, os números da inflação também foram revistos – e para pior – com base no Índice de Preços para o Consumidor Amplo. Antes na casa dos 5,4%, agora 6,47%. Crescimento negativo, com risco de desemprego, desinvestimento na área produtiva, inflação acima do índice, ou seja, o cenário mais temido em qualquer governo. Ainda mais um que já padece com baixíssimos índices de popularidade, o que, juntando tudo numa mesma conjuntura, pode gerar problemas sérios para a estabilidade de Dilma Rousseff no poder ano que vem.

Mas então, é esse o resultado, a médio prazo, das políticas de corte e austeridade do governo?

Dilma caindoSim, o resultado é esse, a cartilha neoliberal em sua essência, que propõe ajustes onde o peso do sacrifício e do sofrimento recai sobre a classe trabalhadora, para aliviar os de cima, os ricos, empresários, os rentistas, o setor financeiro...

Ao contrário de Lula e de seu então ministro da Fazenda, Guido Mantega, que optaram por enfrentar o auge da crise mundial com incentivos aos empreendedores e investimentos na área produtiva, mantendo a economia em movimento, Dilma e Joaquim Levy aplicam exatamente o que os candidatos tucanos propunham naquela ocasião: corte de gastos, aumento de juros, e etc. o que paralisa o setor e cria o clima de medo e recessão que só piora a situação em vez de solucionar.

A saída da crise só pode ser na contramão da cartilha neoliberal, ou seja, pela esquerda, e propostas não faltam. Já no começo do ano, por exemplo, o PSOL apresentou sugestões que o governo deveria levar a cabo para, primeiro, tirar o país do buraco, e segundo, recuperar um pouco da popularidade nos setores que foram cruciais para a sua eleição, e para os quais a Dilma virou as costas no primeiro minuto após a confirmação de sua eleição.

Dentre algumas propostas, está a revogação das MPs 664/2014 e 665/2014 que retiram direitos dos trabalhadores; redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução de salário; luta para barrar o aumento das tarifas de transporte público e implementação do passe-livre nacional; aprovação de uma reforma política de verdade que amplie radicalmente a participação e o controle social e popular sobre as instituições públicas; punição de todos os envolvidos no esquema investigado pela Operação Lava Jato e revogação da reforma da Presidência, aprovada no primeiro ano do governo Lula; a taxação das grandes fortunas e (eu acrescentaria) a auditoria da dívida pública.

Leia na íntegra a Carta de Brasília com as propostas do PSOL

Talvez Dilma Rousseff saiba que precisa mudar de rumo na área econômica. O que lhe falta é autonomia e coragem para colocar as mudanças em prática. O resultado dessa fraqueza pode custar caro ano que quem, com o aprofundamento da crise. Dilma será pega na armadilha que a própria oposição criou e que ela entrou de livre e espontânea vontade.

Anterior
Próximo

Professor de História, Mestre em História Política pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), carioca, usa este espaço para comentar sobre os assuntos da política e da sociedade de forma simples e clara, sem, no entanto, abrir mão do rigor da checagem dos fatos.

0 Comentários:

Leia nossos Termos de Uso