10 de fevereiro de 2015

E o militares, o que pensam do Impeachment da Dilma?

É caso de se perguntar: constitucionalmente as Forças Armadas sempre se apegaram à função de guardiões da lei e da ordem, prerrogativa que eles fizeram questão de manter (inclusive com ameaças caso não fossem atendidos pelos constituintes) na Carta Magna de 1988.

Desde algumas semanas atrás, cresce o burburinho em torno de um golpe branco para o impeachment da Dilma, seja no Supremo, seja no Congresso, e há até políticos insinuando como deve ser feito, no caso de FHC.

Não vi ainda os ministros militares se manifestarem, a não ser na época da vitória nas urnas, em outubro. O problema é que o critério para avaliar quando e como a lei e a ordem são violadas é uma coisa vaga, dependendo dos interesses dos oficiais. Tanto evitar um golpe quanto apoiar um golpe podem ser interpretados naturalmente como a defesa da lei e da ordem, dependendo do contexto que se queira dar, como 1964 nos mostra bem.

Nesse sentido, o silêncio dos militares nesse momento deve estar causando certa aflição em uns, e confiança em outros...

Anterior
Próximo

Professor de História, Mestre em História Política pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), carioca, usa este espaço para comentar sobre os assuntos da política e da sociedade de forma simples e clara, sem, no entanto, abrir mão do rigor da checagem dos fatos.

0 Comentários:

Leia nossos Termos de Uso