17 de junho de 2014

Sergei Mikhalkov e os hinos da Rússia

Sergei MikhalkovUm detalhe curioso na estreia da Rússia agora há pouco na Copa do Mundo: o uniforme vermelho com detalhes em dourado e o hino, que remetem à União Soviética. 

A história do hino daquele país é repleto de complicadas reviravoltas, e com um personagem constante: Sergei Mikhalkov

A música escrita por Alexander Alexandrov surgiu em 1943. A letra foi composta pelo poeta e dramaturgo Mikhalkov. O refrão louvava o "partido de Lênin, o partido de Stalin/ Levando-nos ao triunfo do comunismo".

Depois da morte de Stalin, em 1956, seu adversário político e sucessor Nikita Khrushchev condenou o refrão, e assim o hino perdeu a sua letra. Assim, durante 21 anos, o hino foi executado apenas na versão instrumental. A União Soviética, reformada, procurava um autor para criar um hino da era pós-stalinista. 

Em 1977 o hino ganhou uma nova letra. O mesmo Mikhalkov, agora com 64 anos, acabou sendo incumbido novamente da tarefa, agora sem menções a Stalin: "O partido de Lênin, a força do povo". 

Em 1990, com a queda da União Soviética, o hino foi trocado. Boris Iéltsin modificou o tradicional hino soviético pela "Canção Patriótica", uma melodia sem letras, tal qual o hino espanhol, que não "colou". Foi chamado pelo povo de "hino das oligarquias", por representar um período de grandes desigualdades sociais no país. 

Já no outono de 2000, o novo presidente Vladimir Putin recebeu um grupo de atletas olímpicos russos que se queixaram com ele, porque a falta de um hino que representasse a grandeza antiga da Rússia os desmoralizava e tirava o sabor de suas vitórias. O velho hino soviético era muito melhor que aquele hino sem letra e sem graça. 

Então, o hino soviético voltou a ser tirado da gaveta. Mais uma vez, Mikhalkov, agora com 87 anos, escreveu uma nova letra para substituir a anterior. O refrão passou a louvar "a sabedoria ancestral do povo". Putin enviou ao parlamento um projeto de lei, e o novo hino velho foi rapidamente aprovado. 

Anterior
Próximo

Professor de História, Mestre em História Política pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), carioca, usa este espaço para comentar sobre os assuntos da política e da sociedade de forma simples e clara, sem, no entanto, abrir mão do rigor da checagem dos fatos.

0 Comentários:

Leia nossos Termos de Uso