23 de setembro de 2013

Jair Bolsonaro não serve mais para o mundo atual

bolsonaro-randolf

Por mais que tentemos compreender, é difícil entender como uma pessoa de atitudes tão fascistas, preconceituosas, tresloucadas, provocativas e inconsequentes ainda consegue ser eleita e reeleita inúmeras vezes no mundo de hoje, numa cidade como o Rio de Janeiro, considerada politizada e crítica. Estamos falando, é claro, do deputado federal Jair Bolsonaro, que protagonizou recentemente mais um caso de pura arbitrariedade. Ao tentar forçar a entrada no 1° Batalhão de Polícia do Exército, na zona norte do Rio, o deputado, impedido de entrar – ele não faz parte da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro e não estava na lista dos integrantes da visita ao local onde funcionou o Destacamento de Operações de Informações/Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) – agrediu covardemente com um soco na barriga o senador Randolfe Rodrigues.

A verdade é que o número de apoiantes das causas bolsonaristas no Rio de Janeiro ainda é enorme nesse momento de transição cultural, política e social em que vivemos, o que explica as sucessivas eleições dele e de seus três filhos, doutrinados nas mesmas ideias do pai, certamente com ferrenha disciplina militar. São pessoas que têm alguma ligação, direta ou indireta, com os círculos militares e com a polícia, e isso sem falar nos católicos da direita, que influenciam as camadas mais pobres a defender o tipo de ideal conservador bolsonarista: família patriarcal, rígida, racista e homofóbica, católica e cegamente patriótica.

Felizmente, atualmente esse modelo vem sofrendo críticas por todos os lados e vem sendo desafiado por novas propostas, mais plurais, mais democráticas e menos preconceituosas. E por isso mesmo vemos a reação crescente desses grupos mais radicais que representam o ideário do passado que agora está desmoronando – cujos representantes máximos na política são justamente Jair Bolsonaro e Marco Feliciano. Como eu já disse uma vez, a reação cada vez maior desses grupos conservadores é o maior indício de que as coisas estão mudando para melhor (o que os deixa inconformados).

Veja também: O que Hitler, Trump e Bolsonaro têm e não têm em comum

Bolsonaro é exemplo do que há de mais abjeto na política e ainda não notou que é um monstro anacrônico que não tem mais vez no mundo atual. Sua reação, ao tentar tumultuar a visita dos membros da Comissão da Verdade no Batalhão de Polícia do Exército, local onde ocorreram inúmeros casos de tortura, é apenas uma tentativa desesperada de manter o silêncio da História sobre o passado negro que ele representa. Nesse momento, a sociedade brasileira vive uma batalha para decidir se recupera esse passado criminoso para fazer justiça e impedir que jamais tenhamos de novo que conviver com o fascismo, ou se mantemos a sujeira debaixo do tapete, e continuamos a dar cartaz para figuras nefandas como Jair Bolsonaro.

Anterior
Próximo

Professor de História, Mestre em História Política pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), carioca, usa este espaço para comentar sobre os assuntos da política e da sociedade de forma simples e clara, sem, no entanto, abrir mão do rigor da checagem dos fatos.

4 comentários:

  1. Adilson Fernandes Azevedo23 de setembro de 2013 22:25

    Hoje o Bob Fernandes falou uma coisa certa: o Congresso tem medo desse pilantra sem-vergonha. Só isso explica que a atitudes dele fiquem impunes.
    Parece que estão esperando algo mais grave acontecer...

    ResponderExcluir
  2. Olá Adilson,

    Por um acaso eu vi esse comentário no Facebook, e concordo plenamente. Bolsonaro já deu inúmeros motivos para responder por falta de decoro parlamentar por racismo, homofobia, e cretinice na defesa da Ditadura Militar. Mas como tem colega dele que deve secretamente concordar com ele, aí já viu...

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Esse país é uma vergonha, não dá pra acreditar que ainda existem pessoas que defendem esse tipo de pessoa baixa.
    Mas é exatamente isso, se o Boçalnaro tem tanto poder, é porque tem muita gente que apoia ele, mesmo sem admitir publicamente

    ResponderExcluir
  4. Visitando o blog, a coluna de posts mais visitados me chamou a atenção. Vim pela curiosidade, e porque já vi em leituras anteriores que seus posicionamentos são sensatos e críticos.
    O que é realmente lamentável é notar que esse post foi escrito há dois anos, e que pouca coisa mudou. Jair Bolsonaro continua com suas loucuras e seu fascismo, e pessoas continuam a lhe dar ouvidos e a concordar cegamente com tudo o que ele diz.

    ResponderExcluir

Leia nossos Termos de Uso