Como Lula pode virar o jogo contra seus algozes



 

O que está acontecendo no Brasil nos últimos anos não é mais segredo pra ninguém. Setores mais reacionários das classes dominantes, através de seus aparatos políticos-jurídicos, com o apoio de uma classe média histérica e politicamente estupidificada, além da propaganda ideológica veiculada em telejornais de empresas midiáticas com relações promíscuas com o poder, resolveram varrer do cenário o PT e seu legado.

Regir ou morrer

E os caras não estão para brincadeiras. Desde a reeleição de Dilma em 2014, parece que esses setores perceberam que era a gota dágua. Se Dilma cumprisse o mandato e por ventura o entregasse a Lula numa volta do ex-presidente ao governo federal agora em 2018, o PT poderia completar, no mínimo, 24 anos ininterruptos no poder, mais do que a ditadura militar, por exemplo. Seria fatal para uma oposição aninhada no tucanato do PSDB, que já perdera 4 eleições seguidas para o PT.

Por isso, desde 2014 os opositores se tranformaram em golpistas, como seus pais e avós em 64. Se, naquela época era a violência que varria as esquerdas do poder, agora são as filigranas jurídicas que cumprem esse papel de forma mais sutil.

Assim, com base em "provas" totalmente questionáveis, Dilma foi retirada do governo federal e Lula pode ser preso a qualquer momento. Tudo isso, tendo a Lava Jato como pano de fundo, faz parte de um mesmo movimento golpista, se olharmos em escala maior. A direita saiu do armário e tranformou o país numa republiqueta de bananas.

O que o PT deve fazer em outubro

Diante da óbvia condenação — pois não faria o menor sentido os ricos armarem um circo tão complexo para dar ares de legitimidade a um golpe descarado no Impeachment, e permitir que Lula voltasse como herói dois anos depois — o PT discute seus próximos passos. Há quem sugira, como Gleisi Hoffman e Dilma, que o partido não lance candidato e defenda o voto nulo. Outros querem que o partido lance candidato mesmo que não seja o Lula, mesmo com o desgaste do PT causado por uma superexposição negativa na imprensa alinhada com os golpistas. Qual seria a melhor opção?



Lula pode ser impedido de concorrer, pode ser preso na Papuda, mas seu capital eleitoral não pode ser encarcerado junto com ele. Pode ser transferido e deve. Lula já provou que é capaz de transferir votos do seu eleitorado fiel até para um poste, ou quase isso, tendo em vista a eleição da até então burocrática e discreta Dilma em 2010 para presidente. Lula deve escolher um candidato de esquerda, apoiá-lo, fazê-lo ser o próximo presidente, e assim vencer as eleições, mesmo que não seja candidato. Seria um tapa na cara dos golpistas.

É hora de provar que a tão decantada união das esquerdas proposta por Lula e Dirceu não é conversa fiada disfarçada pra resgatar o protagonismo e a liderança de Lula, e sim a vontade de fazer parte de um programa multipartidário de mudanças estruturais e que seja principalmente impessoal, fruto de muitos autores e não de uma liderança política específica.

Seria a maneira mais exitosa de conseguir uma vitória sobre os golpistas. Mesmo preso ou impedido, ser um político ainda influente no próximo governo, que, em dívida com o ex-presidente, estaria comprometido com suas propostas políticas.

Resta saber se Lula terá essa grandeza ou preferirá morrer inutilmente enterrado com seu capital eleitoral.

Postar um comentário

0 Comentários