Por que as mudanças nas leis trabalhistas vão ser um tiro no pé do empresariado e do governo

H oje, os empresários brasileiros estão rindo à toa com as reformas trabalhistas , dando brindes de champanhe em seus escritórios pelas nova...

Tiro no pé

Hoje, os empresários brasileiros estão rindo à toa com as reformas trabalhistas, dando brindes de champanhe em seus escritórios pelas novas regras aprovadas de forma apressada pelo governo e que, na prática, representam a destruição da segurança do trabalhador através da intermediação do Estado na relação entre empregado e empregador. E não é para menos. Afinal, das onze principais mudanças levantadas pelo site da EBC, todas representam algum tipo de perda de direitos do empregado.

Empresários capitalistas têm como base o lucro extraído do maior preço cobrado por seus produtos em relação ao menor investimento possível em salários, encargos e outras despesas. Mas, para isso, deve haver um equilíbrio. Quando se mexe de forma radical nessa delicada relação entre o que se “gasta” com o trabalhador e o que se lucra, o que hoje parece vantagem amanhã pode ser um desastre.

Quando a crise internacional de 2008 chegou ao Brasil, o presidente Lula tinha duas opções: propor as medidas draconianas e burras de austeridade, congelamento de investimentos e afrouxamento das leis das relações de trabalho, como queriam o empresariado, ou ir na contramão da cartilha neoliberal, incentivando o consumo de bens e serviços internos, para aquecer a economia. Ele ficou com a segunda opção.

Conclusão: nunca o país experimentou um momento de bonança tão grande como aquele, em que, sem mexer nas leis trabalhistas, o país cresceu, o desemprego caiu e os setores primário, secundário e terciário da economia nunca tiveram tanta prosperidade. O trabalhador estava empregado, estava seguro, e a economia girou perfeitamente.

Qual é o cenário de hoje? Aquele que os empresários queriam que fosse a resposta para a crise de 2008 que não veio, mas que foi dada agora quando, primeiro Dilma e depois Temer, implementaram as tais medidas de austeridade que o Lula recusou. O Brasil atolou na crise e criou o cenário perfeito para tirar direitos sob o pretexto de “modernizar” a economia, ou seja, propor remédios para a doença que eles mesmos causaram.

Mas a reforma trabalhista significa um tiro no pé para o empresariado. A longo prazo, surgirá uma legião de trabalhadores desamparados e sem confiança no dia de amanhã. Vamos lembrar que no governo Lula, quase 100 por cento da linha branca, ou seja, fogões, geladeiras, micro-ondas, ar-condicionados, entre outras coisas, foram compradas à prazo. Quem se arriscaria, a partir de agora, a comprar não só bens da linha branca, como casa, carro, móveis, ou qualquer outra coisa à prazo, sem saber se, amanhã, ele poderá ser mandado embora com uma mão na frente e outra atrás? E o lazer, o cinema, o shopping, o passeio no parque, como vai ser, ganhando menos e trabalhando mais?

No final das contas, tudo o que o empregador pensou que ia ganhar tendo menos despesas com o funcionário vai ser perdido quando este mesmo funcionário, que precisa comer, se divertir, se vestir, ou seja, consumir, perder a segurança no seu emprego, e passar a pensar cada vez mais no hoje e menos no amanhã. Como resultado, a economia não vai crescer, novos empregos não serão criados, e os desempregados dispostos a ganhar menos serão contratados no lugar daqueles que agora já não consomem por falta de segurança, agravando ainda mais o problema num círculo vicioso, até que algum gênio da lâmpada perceba que esta reforma trabalhista é um mal para o país que precisa ser revogada.

Getúlio Vargas já sabia o nível de estupidez da classe empresarial brasileira. Já naquela época, eles reclamavam das medidas a favor do trabalhador que deram na Consolidação das Leis do Trabalho, esta mesma que acaba de ser destruída pelos bisnetos daqueles empresários.

Getúlio Vargas já sabia naquela época o que os empresários não souberam enxergar: trabalhadores explorados não podiam dar em boa coisa pra ninguém, nem para eles, nem para os empresários, e nem para o país.  Uma lição que três gerações de empregadores ainda não aprendeu.

COMENTÁRIOS

Nome

economia educação história internacional mídia opinião politica e sociedade sem categoria socialismo e capitalismo
false
ltr
item
Panorâmica Social: Por que as mudanças nas leis trabalhistas vão ser um tiro no pé do empresariado e do governo
Por que as mudanças nas leis trabalhistas vão ser um tiro no pé do empresariado e do governo
https://lh3.googleusercontent.com/-6RLNyEu-5os/WX9PHUh95OI/AAAAAAAALvI/N8m0jYQTUWA-Nrz4yj0WdurlKaedxXd3wCHMYCw/tiro_no_pe_-_lucena_-_3_6_2017%255B3%255D?imgmax=800
https://lh3.googleusercontent.com/-6RLNyEu-5os/WX9PHUh95OI/AAAAAAAALvI/N8m0jYQTUWA-Nrz4yj0WdurlKaedxXd3wCHMYCw/s72-c/tiro_no_pe_-_lucena_-_3_6_2017%255B3%255D?imgmax=800
Panorâmica Social
http://www.panoramicasocial.com.br/2017/07/por-que-as-mudancas-nas-leis.html
http://www.panoramicasocial.com.br/
http://www.panoramicasocial.com.br/
http://www.panoramicasocial.com.br/2017/07/por-que-as-mudancas-nas-leis.html
true
650628655076264791
UTF-8
Nenhuma postagem encontrada VER TODAS Continue Responder Cancelar resposta Delete Por Início PÁGINAS POSTS ver todas RELACIONADAS Categorias ArquivoE PESQUISAR TODAS AS POSTEAGENS Sua busca não gernou nenhuma postagem Voltar para o início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mar Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora Há 1 minuto Há $$1$$ minutos Há 1 hora Há $$1$$ horas Ontem Há $$1$$ dias Há $$1$$ semanas Há mais de 5 semanas Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy