2 de fevereiro de 2017

Quando a música se presta a fins abomináveis

Tortura da música comercial
A “arte das musas”, ou simplesmente a música, é, sem dúvida, uma das criações mais sublimes do homem. Talvez não existam grupamentos humanos, clãs, tribos ou civilizações ao longo de toda a jornada humana neste planeta que não tenham suas próprias músicas, seja como forma de arte, como forma de transmitir valores, ou como forma de entrar em contato com o sagrado.
 
Mas infelizmente, muitas invenções humanas que na sua essência tinham princípios nobres, ao longo do tempo foram sendo corrompidas para fins espúrios. É claro que a música não iria escapar a esta perversa tendência humana.
 
Não cabe aqui uma complexa e profunda análise da história da música em todos os seus gêneros e subgêneros, apenas um pequeno panorama histórico a partir da ascensão da burguesia no Ocidente para chegarmos até a atualidade e compreendermos a progressiva degeneração da música.
 

O capitalismo na música

Até o final do século XIX, a música era um requinte das classes mais elevadas. A crescente classe burguesa tinha na música erudita o reflexo da sua sociedade: organizada, complexa e elitizada. Somente com o industrialismo, a urbanização e com a cultura de massas, é que a música popular passaria a ser reconhecida e a ter também o seu valor. No entanto, durante o século XX, a indústria capitalista do consumo conseguiu transformar a espontânea manifestação popular em produto descartável de consumo, como todo produto industrial. É a obsolescência programada levada também para a esfera da cultura.
 
Melodia, poesia e beleza, letras com teor de crítica social e política foram substituídas por musicas mais curtas, simples, com refrãos pegajosos e letras que falam de relações amorosas superficiais no intuito de “colar” na mente do ouvinte. O samba de raiz, por exemplo, virou pagode comercial; a música regional do interior do país virou “musica sertaneja”, músicas de protesto como o punk rock ganharam versões pop e a Música Popular Brasileira caiu vertiginosamente de qualidade nos últimos anos com músicas pobres criadas nos escritórios das grandes gravadoras com artistas fabricados, como já descartado Michel Teló e companhia.
 

Jingles de campanha política e música gospel

Muita gente esperta percebeu, há tempos, que a música tem a capacidade de baixar nossa guarda, nos influenciar, mexer com nossas emoções e deixar marcada na mente uma mensagem. Os religiosos evangélicos trataram logo de vetar as músicas “do mundo” e criar suas próprias canções gospel com apelo emocional para ganhar a mente dos fiéis, enquanto que os políticos optaram por criar jingles de campanha em épocas de eleições para ganhar o voto dos eleitores, com refrãos pegajosos e repetitivos, usando a mesma fórmula das músicas comerciais de hoje – inclusive muitas vezes eles utilizam até o mesmo “sucesso” do momento nas rádios, com a letra adaptada para a campanha.
 
Tudo isso é a subversão da beleza e da magia que é a música. Infelizmente a grande maioria das pessoas está tão acostumada à pobreza musical dessa sociedade de massas, da indústria do entretenimento, da cultura descartável, que chega a confundir esse tipo de música fast-food, pobre, vazia, com a própria música em si. Aliás, a música é apenas uma das coisas que essas pessoas engolem sem critérios nem escolha. Apenas engolem.
PRÓXIMO POST Próx. Post
POST ANTERIOR Post Anterior
PRÓXIMO POST Próx. Post
POST ANTERIOR Post Anterior
 

Seu email estará seguro conosco. É grátis e não fazemos spams