Política e Religião: por que foram separadas e por que devem continuar assim

Estado e religião

A ideia de laicidade, Estado laico, etc. é muito recente no Ocidente, e ainda mais no Brasil. Começou a ser praticada, de fato, no século XIX, depois de milênios em que tanto a política quanto a religião estavam fundidas numa coisa só. Para entender por que um grupo de intelectuais e filósofos europeus propôs a separação entre essas duas esferas no passado recente, precisamos entender como era então o mundo antes dessa ideia prevalecer.

“Governo divino”

Teocracia: assim é a definição grega para os Estados em que o poder advinha da chancela religiosa. Desde os primeiros reinos da Antiguidade na Mesopotâmia, o governante era considerado legítimo se os sacerdotes da religião oficial assim o agraciassem. Sendo tanto os religiosos do templo quanto a família do governante membros das altas castas da sociedade, membros da elite, é fácil compreender como a religião foi instrumentalizada para ocultar acordos políticos entre famílias poderosas e para o conformismo das massas.

A Idade das Trevas: poder absoluto da Igreja

Com o advento da Igreja Católica durante o Império Romano, aos poucos o cristianismo foi sendo difundido entre as tribos invasoras europeias, seus antigos deuses satanizados e Jesus Cristo passando a ser o legitimador do poder, primeiro do Bispo de Roma, agora chamado papa, e depois, também de cada governante dos pequenos reinos que se formavam na Europa, com a queda do Império. Os católicos romanos foram hábeis em manter a religião oficial cristã entre os bárbaros mesmo com o desaparecimento do poder central de Roma.

Durante a Idade Média, as circunstâncias fizeram a educação formal desaparecer até entre os nobres, a maioria analfabetos — inclusive o grande Carlos Magno, que assinava seus documentos com um K —o que acabou delegando aos clérigos o monopólio do saber (e do poder, consequentemente).  Bispos tornaram-se então arrogantes, autoritários, corruptos e, obviamente, destruíam quaisquer crenças que pudessem rivalizar, e portanto, ameaçar seu status privilegiado. Foi assim, entre outros casos, que os católicos massacraram até a morte o último cátaro na França, por praticar um tipo de cristianismo heterodoxo.

A ciência começa a derrubar a hegemonia religiosa

Com a chegada da época que ficou conhecida como Renascimento até a era contemporânea, alguns aspectos desses superpoderes autoritários e violentos religiosos começaram a ser questionados com mais importância. Uma série de eventos minou o poder católico até então intocável. Desde os estudos científicos da Bíblia por Espinoza (até então só os clérigos podiam interpretar a Bíblia, jamais um “leigo”); passando pelas descobertas astronômicas de Galileu;  a cisão protestante de Lutero; até a revolucionária teoria da evolução das espécies de Darwin, o mundo mudou bastante, e pra melhor! Mas o principal evento ocorreu no final do século XVIII com a Revolução Francesa, em que, pela primeira vez, foi determinada a separação oficial entre a religião e a política.

De fato, ambas são esferas totalmente incompatíveis. A religião fomenta o sectarismo, o pensamento único, a crença em verdades dadas e inquestionáveis. A política, pelo menos a democrática, pressupõe o convívio das diferentes ideias, o debate, a busca pela verdade embasada em argumentos verificáveis. A política visa o bem comum, e não somente daqueles que professam tal ou qual crença. Por tudo isso a separação dessas esferas foi uma conquista que possibilitou a paz e o desenvolvimento que a Europa hoje em dia desfruta, quando deixou pra trás, há muito tempo, suas guerras religiosas.

Os caminhos tortuosos do laicismo no Brasil

No Brasil, o Império surgiu tendo como religião oficial o catolicismo na época em que ela já era contestada na Europa. Só eram eleitas para as Câmaras pessoas desta religião, de acordo com a Constituição de 1824. Não eram permitidos outros cultos, a não ser no ambiente doméstico.

Com o advento da República em 1889, oficialmente, pelo menos no papel, o Brasil passou a ser um Estado Laico. Mas se durante nosso período republicano já havia controvérsias quanto a esse laicismo na prática, a Constituição de 1988, atualmente vigente e que não traz uma vez sequer o termo “Estado Laico” em seus artigos, tratou de colocar mais dúvida nas nossas cabeças, tendo em vista sua incoerência:

Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. (grifo meu)

Essa falta de clareza na definição do laicismo estatal permitiu a ascensão recente de uma bancada neopentecostal no Congresso que representa o contrário de tudo o que a Constituição defende e o que há de pior na política: são faltosos, a maioria responde por algum tipo de crime, são radicais, não defendem toda a sociedade e sim a parcela que comunga de suas ideias, proliferam o ódio e o preconceito, usam fiéis como massa de manobra, sua agenda é conservadora e reacionária a qualquer tipo de proposta social, atacam adversários com fantasias infantis com o “diabo”… Ou seja, um mal que a Europa se livrou mas que ainda nos fustiga, por uma falta de rigor na definição dos limites entre religião e Estado no Brasil.

Aos poucos, tais defensores da fé evangélica saem do parlamento para tentar a sorte no executivo. Um deles é Marcelo Crivella no Rio de Janeiro, candidato a prefeito, que traz na bagagem nada menos do que o tio Edir Macedo, fundador da Igreja Universal e Anthony Garotinho, convertido evangélico depois de um acidente, e responsável por diversos inquéritos sobre sua conduta na política. Não podemos deixar que este período de convergência entre religião e política possa voltar das trevas de onde foi deixada. Representa um retrocesso, um desrespeito à diversidade e à pluralidade de ideias que devem prevalecer em todas as sociedades democráticas. Nenhum segmento da sociedade pode ter algum tipo de privilégio sobre os demais, e por isso o laicismo, que não se confunde com ateísmo e sim com a defesa de todas as religiões e o privilégio de nenhuma, deve estar sempre na linha de frente de nossas bandeiras. Não ao Estado neopentecostal!

Postagens mais visitadas deste blog

Voz de prisão. Na teoria, uma coisa, na prática, outra bem diferente

Qual é o termo gentílico mais adequado para quem nasce nos Estados Unidos?

Deputados contra a Reforma da Previdência: consciência política ou barganha pelas emendas parlamentares?

Como os homens manipulam a “vontade de Deus” de acordo com suas necessidades: a questão do lucro