A última dos golpistas: eleições gerais pra presidente e vice

sujeira no congresso

Tentaram de todas as formas implicar a presidente em algum envolvimento nos escândalos da Lava Jato. Nada apareceu de concreto; depois, inventaram que as “pedaladas fiscais” constituíam crime de responsabilidade, tese que foi magistralmente desmoralizada por José Eduardo Cardozo na defesa da presidenta; então passaram a alegar que era preciso ouvir a voz das ruas para derrubar Dilma, como se isso constituísse motivo suficiente para um Impeachment; e por fim, tendo fracassado todas as manobras, a nova tentativa de golpe passa por simples eleições gerais, para presidente e vice, com base sabe-se lá em que novas falácias.

Um bloco de nove senadores do PPS, do PSB e da Rede vieram com essa nova ideia descarada, querendo aproveitar as eleições municipais deste ano para realizar nova eleição presidencial na base do tapetão. Bastaria uma emenda constitucional e pronto, que se dane as leis, os mandatos, os votos… O Brasil entraria em paz com um novo presidente e um novo vice. Mas com este mesmo Congresso?

É fato sabido que esta legislatura, uma das piores e menos brilhantes das últimas décadas, apresenta quadros não apenas medíocres em matéria de legislação, mas também suspeitos dos mais variados desvios de conduta. Estão aí denúncias como as de Furnas, delações, Lava Jato e a lista da Odebrecht que não me deixam mentir. Isso sem mencionar a novidade que surgiu esses dias: os já famosos Panamá Papers. Casos graves de corrupção, lavagem de dinheiro, favorecimento, enriquecimento ilícito… Bancadas da bala que ganham fortunas de empresas de armas para revogar o estatuto vigente sobre o tema, bancada evangélica que ataca diariamente o princípio do laicismo e propõe questões particulares como isenção de IPTU para templos alugados, bancada do agronegócio que impede o consumidor de identificar nas prateleiras dos mercados se o produto que ele consome vem de matéria-prima transgênica, um presidente da Câmara que devia estar na cadeia e outro do Senado que é o campeão de acusações anuais impunes… Ou seja, são estes elementos que vêm agora em público pedir eleições para presidente e vice, sem tocar em vossos mandatos…

O golpismo neste país atingiu níveis inacreditáveis. Mas devido a enorme reação das ruas, dos intelectuais, dos movimentos sociais e dos juristas honestos, há um clima de preocupação, de que o processo dê em água. Por conta disso começam a surgir estas teses totalmente absurdas, como renúncia, baixa popularidade como justificativa de impedimento, eleições antecipadas… E se o Lula se candidatasse e ganhasse as eleições? Passaríamos mais quatro anos nesta instabilidade política?

O que estes senhores golpistas estão fazendo com o país em nome de suas ganâncias pessoais é o que as classes dominantes fazem quando estão perdendo o jogo: roubam, trapaceiam, mudam as regras e sonegam. E por falar em sonegação, uma atividade que lesa a economia do país 25 vezes mais do que a tão decantada corrupção, seria bom dar uma olhada naquela lista do Panamá Papers… Vai ter muito político que pede renúncia da presidenta tendo que renunciar pra não perder os direitos políticos…

Postagens mais visitadas deste blog

Voz de prisão. Na teoria, uma coisa, na prática, outra bem diferente

Qual é o termo gentílico mais adequado para quem nasce nos Estados Unidos?

Deputados contra a Reforma da Previdência: consciência política ou barganha pelas emendas parlamentares?

Como os homens manipulam a “vontade de Deus” de acordo com suas necessidades: a questão do lucro