“Haters” e “Trolls” saíram da internet para a vida real no Brasil

ódio na internetJá é bastante conhecido o fenômeno mundial de pessoas que usam os espaços destinados a comentários em sites e blogs da internet para destilar ódio e preconceito (os chamados haters em inglês, de hate = ódio) e provocações para irritar as pessoas por puro divertimento pessoal (os trolls). Antes restritos aos impessoais e anônimos espaços virtuais da rede mundial de computadores, esse fenômeno parece ter chegado na vida real.

Na verdade, o correto seria dizer que a internet apenas ajudou a colocar pra fora aquilo que já estava lá, na sociedade, de forma oculta, dissimulada, (às vezes nem tanto) coisas como a homofobia, o racismo, o preconceito de religioso para religioso de outra vertente, o ódio de classe refletido no ódio ao PT (esse, então, um fenômeno curioso, porque atinge até quem é da classe trabalhadora e pensa com a cabeça da classe média).

A internet é violenta porque somos um país violento, de base patriarcal, autoritária, militarista. A violência está no nosso cotidiano histórico, de mãos dadas com a ignorância das massas. Um caldo perigoso que resulta em recordes mundiais para o Brasil de violência contra a mulher, de morte de homossexuais, de casos de homicídio, lichamentos públicos, enquanto vai derrubando mitos históricos, de que aqui é a terra da tolerância religiosa e que no nosso país não existe racismo.

Poderíamos depositar nossas esperanças numa elite urbana e ilustrada que tivesse a vontade de fazer desse país uma potência, mas infelizmente padecemos historicamente desse tipo de personagem. Nossa burguesia sempre foi egoísta e dependente do Estado, como é até hoje, muito mais do que gostaria de reconhecer. O empreendedorismo capitalista não fez surgir aqui um Carnegie, um Rockefeller, um Cecil Rhodes. Nosso Barão de Mauá, o que mais se aproximou de um verdadeiro empreendedor privado, foi sabotado pelos homens do poder de sua época, escravocratas e latifundiários, cujos netos e bisnetos são os mesmos homens mesquinhos e egoístas que comandam hoje no país a política nacional.

Em breve, aqui no blog, vamos procurar entender um pouco mais do que acontece nesse país. Por que chegamos a tal nível de contradições e de desigualdades, de ignorância e de osbscurantismo.

Para isso lançaremos mão do recente trabalho do professor Jessé Souza: A tolice da inteligência brasileira. E assim esperamos inaugurar em alto nível esse novo ano e essa nova fase do blog. Nos vemos lá. 

PS: Para um exemplo de um verdadeiro Troll em ação, você pode dar uma olhada nos próprios comentários desta postagem. Observe como o comentador Stalin Lula da Silva já provoca desde o nick falso que escolhe, passando pelo comentário que não cita nada da postagem ou acrescenta sequer uma visão diferente à apresentada. Sua única função é atacar, provocar, e se divertir. Um exemplo didático. Depois de uma primeira chamada, a sugestão é ignorar. Se passar dos limites, apagar. Em ultimo caso, denunciar ao blogger, pra ele ficar um bom tempo sem o seu passatempo preferido.

Postagens mais visitadas deste blog

Voz de prisão. Na teoria, uma coisa, na prática, outra bem diferente

Qual é o termo gentílico mais adequado para quem nasce nos Estados Unidos?

Deputados contra a Reforma da Previdência: consciência política ou barganha pelas emendas parlamentares?

Como os homens manipulam a “vontade de Deus” de acordo com suas necessidades: a questão do lucro