A responsabilidade do PT no crescimento do conservadorismo no Brasil

Em 2002, eu votei em Lula. Não era e nunca fui petista (na ocasião meus votos eram sempre para o PDT de Brizola), mas sentia que, naquele momento, algo histórico estava prestes a acontecer. Um partido de esquerda subiria ao poder máximo no país. Pra mim foi uma alegria a emblemática cena do Lula subindo a rampa do Planalto pela primeira vez, para receber a faixa presidencial. Ignorei os avisos do próprio Brizola, de que o PT era a UDN de macacão, e aí, logo depois veio a primeira decepção, a primeira de muitas que viriam a detonar todas as esperanças de milhões de brasileiros – mais precisamente, 50 milhões de brasileiros que naquela eleição disseram não ao neoliberalismo.

Recado aos vencidos

Lula divulgou a famigerada Carta aos Brasileiros, que bem podia ser chamada de Carta aos Banqueiros, que o jornalista Paulo Henrique Amorim denunciou que fora escrita por Antonio Palocci com a supervisão de ninguém menos que... do filho do Roberto Marinho! Isso mesmo. Nessa carta, procurava tranquilizar os mercados, afirmando que a ortodoxia neoliberal não ia ser mexida em sua essência. Juros altos e inflação controlada iriam continuar garantindo o lucro dos rentistas e do mercado financeiro.

Quero ser igual a você

Logo a seguir, em 2005, o PT mostrou que já não merecia mesmo a nossa confiança. Tal qual um novato apenas tolerado em um círculo onde era absolutamente indesejado – os círculos das altas esferas do Poder – achou que poderia lançar mão das mesmas práticas adotadas pelo seu antecessor, o PSDB e o famigerado mensalão, sem que a mídia ou o bloco conservador usassem isso como arma política. Ledo engano. Depois de um julgamento transformado em espetáculo pela imprensa burguesa, diversos dirigentes do partido foram condenados e presos.

 

Lula, Dilma, Cunha

 

Esperava-se que o PT, depois dessa dura lição, tivesse aprendido que não se pode confiar nas velhas forças da oligarquia política. O povo dera mais uma chance na reeleição petista em 2006. Mas Lula só fez aprofundar ainda mais a dependência para com estes setores da política, sintetizada na coligação com um PMDB fisiológico, o verdadeiro partido do “toma-lá-dá-cá”, com a desculpa mentirosa da necessidade de maioria para a governabilidade, esse jargão que virou justificativa para as alianças mais espúrias.

Completado o mandato, Lula podia se vangloriar de ter tirado “milhões de brasileiros da miséria colocando-os na classe média”, falácia que hoje, com a ameaça de corte de 30 por cento do Bolsa Família e o estrago que isso poderia causar nos números da pobreza, sabemos que não é bem assim.

Dilma presidente. Uma tecnocrata que não faz política

Com a eleição da Dilma Rousseff em 2010 parece que a dependência do partido para com os setores conservadores piorou ainda mais, com o agravante da presidenta não gostar muito de fazer política, ou seja, não ter a mesma capacidade de arrancar concessões dos seus “aliados” na mesa de negociações como o ex-presidente Lula. Isso foi fatal para o PT que, desde então, se tornou refém do que há de mais retrógrado no Congresso Federal. Coisas bizarras como as que temos visto, como a ascensão política de um delinquente que atualmente preside a Câmara dos Deputados e desafia abertamente Dilma Rousseff com ameaças de Impeachment, que promove discussões das mais repugnantes como projeto que dificulta o acesso garantido pela Constituição ao aborto em certos casos (isso depois que a própria Dilma voltou atrás sobre o projeto do Aborto Legal, a pedido do próprio Cunha…), e a mudança do Estatuto do Desarmamento, por exemplo. Uma mistura de interesses políticos, religiosos e empresariais, que nada têm a ver com a vontade daqueles que elegeram o PT contra estas mesmas forças reacionárias.

Em pelo menos quatro momentos o PT fraquejou, recuou e jogou no lixo o apoio dos setores mais progressistas do eleitorado:

  1. Quando recuou, em 2011, diante da bancada evangélica naquilo que depois ficou conhecido como “Kit Gay”: num país onde um homossexual morre a cada dia vítima de homofobia, a cartilha escolar visava esclarecer o tema perante os alunos, promover o entendimento, o convívio e a diversidade. A bancada evangélica, que está na base de apoio do governo (não deveria) fez estardalhaço e o governo covardemente recuou. De lá pra cá, Dilma tem sido vítima de ataques sistemáticos e campanhas difamatórias desse grupelho que forma uma das mais faltosas alas do Congresso e reúne alguns dos mais incriminados deputados da Casa;

  2. Quando desistiu de bancar a Lei de Médios: o PT no governo até chegou a propor o debate sobre a regulação de uma das mídias mais concentradas do planeta (apenas 6 famílias detêm o monopólio de todo o sistema de comunicação) mas com os ataques da mesma, o PT recuou. Recuou, e agora é vítima dessa mesma mídia, que não se furta a fazer um ataque sistemático e diário ao PT, a Lula e a Dilma;

  3. Quando Lula “escolheu” Henrique Meirelles para presidente do Banco Central e Dilma Joaquim Levy Ministro da Fazenda no seu segundo mandato: na verdade, escolheram no universo macroeconômico manter a continuidade da política econômica neoliberal do PSDB, aquela que os brasileiros rejeitaram em todas as últimas eleições e que aprofunda a crise que o país se meteu (e consequentemente abala a popularidade do governo);

  4. Por fim, quando, além de promover menos assentamentos da Reforma Agrária que o próprio Fernando Henrique Cardoso, Dilma escolhe como Ministra da Agricultura ninguém menos do que Kátia Abreu, a Rainha da Motosserra e defensora dos agrotóxicos na comida do brasileiro. Juntos com a Bancada da Bala (deputados patrocinados pela indústria das armas) formam o grosso da oposição ideológica ao governo.

Claro que esse é apenas um pequeno apanhado, existem muito mais áreas em que o governo, em vez de cortar a cabeça da direita, deu-lhe afagos, trouxe-os para o governo. E agora, sofre com o monstro que ajudaram a criar.

E poderia ser diferente?

Alguns governistas poderiam alegar que as forças conservadoras são tão grandes no Brasil, que não haveria alternativa a não ser a aliança com eles. Mas isso não é verdade, e os exemplos dos nossos vizinhos da América Latina, especialmente Argentina, Uruguai, Bolívia, Equador e Venezuela, estão aí para não nos deixar mentir. As forças reacionárias, da direita e conservadoras estão aí em todo o continente, seja nas mídias ligadas a SIP, seja nos próprios parlamentos.

Saiba mais: SIP: onde se forma o consenso da imprensa conservadora latino-americana

Mas em vez de recuar, os governos desses países revolveram enfrentar a briga, estabelecer a diferença e os limites entre eles e os golpistas, e com isso conseguiram avanços que nem sequer sonhamos aqui no Brasil. Porque têm o povo para defendê-los. Aqui, numa estratégia inacreditavelmente burra, o PT virou as costas para as Manifestações de Junho, incriminando-as num primeiro momento, e depois prometendo reformas que foram violentadas, deturpadas e manipuladas pelos seus “aliados” no Congresso. A voz das ruas virou a voz da oposição com o beneplácito de um governo fraco e que despolitiza a política em nome de uma falsa paz entre as classes.

Portanto, a aliança com as forças conservadoras foi uma escolha infeliz do Partido dos Trabalhadores, e não uma necessidade em nome da famigerada governabilidade, como nos tem sido dado a acreditar. Os reflexos dessa escolha podem ser sentidos agora, e deverão ser decisivos na eleição de 2018.