As facadas na Lagoa e Um concurso de polícias

Coelho

O Rio de Janeiro tem sido local de inúmeros casos de esfaqueamentos nas últimas semanas. Ou talvez não. Talvez os casos sempre estiveram por aí, mas a mídia não estava prestando muita atenção e sem muito interesse em sua divulgação. Já tinham as balas perdidas a assombrar de medo a população carioca, naquela sórdida campanha mal dissimulada pela redução da maioridade penal. O clima de violência e medo sempre funcionaram bem a uma elite que tem no confronto armado, violento e o encarceramento em massa como as únicas soluções para a criminalidade. Mas depois que um médico da Lagoa foi vítima de tal modalidade de crime, aí a coisa mudou de figura.

Hoje surgiu a notícia de que um terceiro menor de idade se entregou à polícia e assumiu a autoria do assalto em que o médico Jaime Gold foi morto a facadas, na Lagoa Rodrigo de Freitas, no último dia 19 de maio.

Mas e os outros menores, apreendidos pouco depois do crime e que haviam confessado participação no caso?

Isso me lembra uma anedota sobre a polícia do RJ.

Havia um concurso mundial pra saber qual era a polícia mais eficiente do mundo, e na final ficaram as polícias de Londres, de NY e do Rio. A tarefa era localizar um coelho, que seria solto num bosque, no menor tempo possível, usando a melhor estratégia e tecnologias.


Primeiro foi a policia de Londres. Com recursos e táticas de investigação, levaram 30 minutos, um tempo razoável.


Depois foi a vez da polícia de NY. Com grande aparato e organização, levaram ainda menos tempo para encontrar o coelho: 20 minutos!


E então veio a polícia fluminense... Em menos de cinco minutos, os policiais entraram no bosque e trouxeram um menor de uma comunidade carente vizinha, que aparentemente tinha sido espancado e que dizia: "eu sou um coelho!! Eu sou um coelho!!"

Só assim pra entender…

Postagens mais visitadas deste blog

Voz de prisão. Na teoria, uma coisa, na prática, outra bem diferente

Qual é o termo gentílico mais adequado para quem nasce nos Estados Unidos?

Deputados contra a Reforma da Previdência: consciência política ou barganha pelas emendas parlamentares?

Como os homens manipulam a “vontade de Deus” de acordo com suas necessidades: a questão do lucro