Sete em cada dez brasileiros não leram um livro sequer ano passado

Livros

Uma das notícias mais desalentadoras desses últimos dias foi a divulgação de uma pesquisa da Federação do Comércio do Rio de Janeiro sobre o número de leitores de livros no Brasil no ano passado: apenas 3 em cada 10 leram pelo menos um livro. Ou seja: 70 por cento dos brasileiros não leram um livro sequer no ano de 2014. Isso é simplesmente estarrecedor.

Aparentemente pode-se concluir que se trata de uma questão secundária: “e daí que caiu o número de leitores? Temos o aumento do acesso à internet e isso compensa”. Não, não compensa. Não é a mesma coisa. Assim como a TV nunca compensou.

Um livro exige e privilegia a concentração, a dedicação de muitos minutos seguidos em um mesmo tema, e fornece assim um conhecimento profundo sobre determinado assunto. Já a internet, apesar de ter colocado à nossa disposição milhões de possibilidades de acesso à informação, transformou nossa capacidade de concentração em uma ervilha. Hoje os jovens não conseguem se concentrar em nenhuma tarefa por um período superior a 5 minutos, e vários artigos e postagens de internet já se adaptaram a isso para fornecer textos que levam cada vez menos tempo de leitura, ou seja, com conteúdo mais resumido e superficial. O que será dessa geração, ou o que será do conhecimento humano, quando esse tipo de modelo prevalecer daqui a algumas décadas, se nada for feito?

No Brasil, a coisa é ainda mais grave. Muitos países europeus e os Estados Unidos, não por acaso na liderança do mundo hoje em matéria de ciência e tecnologia (que, obviamente, se reflete na economia) deram a largada para a erradicação do analfabetismo e a universalização do ensino já século XIX. Portanto, suas populações se encontravam muito mais desenvolvidas e preparadas na época que a televisão deu as caras como a nova tecnologia em meados do século XX. Por terem uma ampla parcela de leitores, alguns países tiveram na televisão uma mera fonte de entretenimento, não de saber.

Veja também: Como as mídias manipulam a opinião pública no Brasil 

Infelizmente o Brasil assistiu a chegada do aparelho de televisão no momento em que mais da metade da sua população ainda era analfabeta. Então demos um salto da ignorância para a TV sem passar pelos livros, o que nos tornou uma nação que passa a vida diante da televisão assimilando passivamente o que recebemos como verdade e informação. Agora a internet vem tomando aos poucos a supremacia da TV, mas como todos sabemos, sem capacidade crítica de discernir as toneladas de informações que aparecem no monitor do PC, o brasileiro consome o que estiver disponível do mesmo jeito. Em 1 minuto lendo uma postagem sobre um determinado e complexo tema – por exemplo, a legalização das drogas – ele acha que já sabe tudo sobre o assunto, e assim despeja falácias na internet, que por sua vez ajudam a realimentar o senso-comum da profundidade de um pires que sempre circula na maioria dos portais e sites.

Isso não explica muita coisa do que temos visto ultimamente no nosso país?

Postagens mais visitadas deste blog

Voz de prisão. Na teoria, uma coisa, na prática, outra bem diferente

Qual é o termo gentílico mais adequado para quem nasce nos Estados Unidos?

Deputados contra a Reforma da Previdência: consciência política ou barganha pelas emendas parlamentares?

Como os homens manipulam a “vontade de Deus” de acordo com suas necessidades: a questão do lucro