Não podemos subestimar o poder sedutor do capitalismo

Em breve McDonalds em Cuba

Uma das grandes surpresas desse fim de ano foi a reaproximação entre Estados Unidos e Cuba, com a mediação do papa Francisco. O fato causou admiração, desconfiança e esperança em medidas quase idênticas, dependendo das inclinações político-religiosas de quem analisa o fato.

O embargo fracassou. Em que, especificamente?

Muitos veem a reaproximação como benéfica para Cuba, que vive uma crise financeira de longa data, que a chegada de turistas cheio de dólares ajudaria a remediar; outros desconfiam das intenções norte-americanas, quando o presidente Barack Obama alega que era preciso uma nova estratégia, porque o embargo havia claramente fracassado. Mas fracassado em que objetivos? O embargo sufocou a economia cubana, deixou o país caribenho atrasado pelo menos trinta anos em termos de desenvolvimento, e causou indiretamente todas as dificuldades para a população. A única coisa que o embargo realmente fracassou, foi em derrubar o regime comunista da ilha. Isso quer dizer que a mudança de estratégia visa alcançar justamente esse objetivo que o embargo não atingiu?

Quando há papas envolvidos, é bom desconfiar…

Já há especulações no ar. Alguns jornalistas já lembram que outro papa esteve envolvido em negociações secretas (e sujas) no passado para a derrubada de regimes comunistas. Trata-se do polonês Karol Wojtyla, o papa João Paulo II, em cuja biografia consta, segundo Sergio Caldieri, passagens nada dignas como a ajuda financeira da CIA para ajudar a derrubar governos no Leste Europeu:

Segundo o escritor Marco Politi, jornalista italiano especializado em assuntos do Vaticano, o general Vernon Walters, ex-diretor da CIA, foi o intermediário de 50 milhões de dólares para o papa João Paulo II destruir a Cortina de Ferro com suas hóstias verdinhas. O livro de Marco Politi é “Sua Santidade – João Paulo II e a história oculta de nosso tempo”, escrito em parceria com o famoso jornalista Carl Bernstein, do caso Watergate. Eles contaram que João Paulo II teve 15 encontros secretos com o general Vernon Walters e Willian Casey, então diretor da CIA

Para aqueles que andam preocupados, a filha do atual presidente cubano, Mariela Castro, já tratou de dissipar qualquer insinuação de que um golpe branco está a caminho. Segundo ela, Cuba não voltará a ser capitalista. Mas eu creio que a filha de Raúl Castro subestima o poder da propaganda ideológica capitalista. Essa mesma força que faz as pessoas abandonarem convicções políticas e substituírem-nas pelo desejo de consumo de porcarias industrializadas, além da ilusão de liberdade que já derrubou muros e destruiu governos no passado.

A influência da ideologia capitalista

Imaginem quando milhares de norte-americanos invadirem a ilha para passar suas férias. O contraste entre aqueles cidadãos de classe-média estadunidenses e os nativos cubanos seria gritante nesse momento. Levarão seus celulares de última geração, suas máquinas fotográficas de última geração, seus cartões de crédito e o pior, suas propagandas enganosas sobre a liberdade nos Estados Unidos.

Além disso, logo os cubanos de Miami poderão voltar pra casa e constituirão talvez o que se poderia se chamar de uma classe-média local, com toda a mentalidade burguesa que aprenderam a defender enquanto viveram nos Estados Unidos. Isso poderia causar, pela primeira vez desde a revolução, uma desigualdade social considerável, e onde existe a desigualdade social existe o aumento da insatisfação e da criminalidade. Pra completar, a queda do embargo possibilitaria uma enxurrada de porcarias enlatadas estadunidenses na ilha, talvez filmes e seriados com mensagens contra “ditaduras”, “governos autoritários” em favor da “democracia”, e etc. Sei que a população cubana tem um nível de escolaridade elevado e não se deixaria levar tão fácil pela propaganda, mas quem pode ignorar o poder de sedução da engenhosa ideologia capitalista e todas as suas consequências nefastas?

Espero estar completamente enganado, mas por enquanto, minhas barbas estão de molho.

Postagens mais visitadas deste blog

Voz de prisão. Na teoria, uma coisa, na prática, outra bem diferente

Qual é o termo gentílico mais adequado para quem nasce nos Estados Unidos?

Deputados contra a Reforma da Previdência: consciência política ou barganha pelas emendas parlamentares?

Como os homens manipulam a “vontade de Deus” de acordo com suas necessidades: a questão do lucro