Um novo mundo não-estadunidense no horizonte

Aquela reunião realizada em Fortaleza entre os líderes dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que contou, dias depois, ...

Encontro BRICS UNASUL

Aquela reunião realizada em Fortaleza entre os líderes dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que contou, dias depois, com o apoio de países da América Latina através da UNASUL em Brasília, tem uma representatividade que até agora não se pôde mensurar exatamente. O que parece é que o encontro, que culminou com a criação do Novo Banco de Desenvolvimento, está inserido num contexto mais amplo de um mundo multipolar, sem a tutela econômica da “trindade profana” – FMI, OMC e Banco Mundial – e, por consequência, dos Estados Unidos.

O Novo Banco de Desenvolvimento, a princípio, foi criado para uma “rede de proteção” aos países-membros, mas numa perspectiva a longo prazo, certamente rivalizará com os ditames neoliberais do Fundo Monetário Internacional, que representa a linha econômica ortodoxa que começa a incomodar até mesmo os países europeus, vítimas da crise capitalista da qual até hoje mal conseguiram se recuperar.

Hoje em dia, os Estados Unidos tremem ante a concreta possibilidade da Alemanha, carro-chefe da União Europeia, abandonar as hostes estadunidenses para se alinhar aos BRICS, conforme disse o doutor em Estatística Jim Willie, PhD na matéria pela Carnegie Mellon University, nos EUA, em recente entrevista. O especialista chegou a afirmar que a crise dos Estados Unidos com a Rússia pela questão da Ucrânia tinha como intenção interromper o afastamento da Alemanha – e de outros europeus – da órbita norte-americana:

Os EUA, basicamente, estão dizendo à Europa: você tem duas opções aqui. Junte-se a nós na guerra contra a Rússia. Junte-se a nós nas sanções contra a Rússia. Junte-se a nós nas constantes guerras e conflitos, isolamento e destruição à sua economia, na negação do seu fornecimento de energia e na desistência dos contratos. Junte-se a nós nessas guerras e sanções, porque nós realmente queremos que você mantenha o regime do dólar. [Em contrapartida, os europeus] dizem que estão cansados do dólar… Estamos empurrando a Alemanha para fora do nosso círculo. Não se preocupem com a França, nem se preocupem com a Inglaterra, se preocupem com a Alemanha. A Alemanha tem, no momento, 3 mil empresas fazendo negócios reais, e elas não vão se juntar às sanções*.

Para o vice-diretor do Instituto de Estudos do Extremo Oriente da Academia de Ciências da Rússia, Serguei Luzyanin, o encontro do BRICS representa realmente a intenção de superar a influência dos Estados Unidos não só na área econômica, mas em todos os aspectos da humanidade,

Não é preciso ser um político habilidoso para sentir que os povos e as civilizações dos países em vias de desenvolvimento estão cansados de ‘padrões norte-americanos’ impostos. Aliás, padrões para tudo, economia, ideologia, forma de pensar, os ‘valores’ propostos, vida interna e externa, etc. O mundo inteiro viu pela TV o aperto-de-mão dos cinco líderes dos Brics, ao qual, passado uns dias, se juntou praticamente toda a América Latina. É discutível se, neste impulso comum, existiu uma maior dose de contas pragmáticas ou de solidariedade emocional, mas, uma coisa é certa, nele não houve qualquer amor pela América do Norte. E isso ainda é uma forma polida de colocar as coisas.

As perspectivas de sucesso do BRICS em superar o modelo hegemônico estadunidense são complicadas, porém devem ser encaradas com otimismo. Existe a chance do BRICS se estender significativamente com a adesão futura de Argentina, Indonésia e outros países chamados periféricos, o que representaria uma nova ordem mundial mais democrática, plural e representativa de diversos povos e etnias.

Seria o fim da padronização e da cultura de massa criada e implementada direto da América do Norte para o mundo. Devemos torcer por isso.

*fonte da entrevista: rededemocratica.org

COMENTÁRIOS

Nome

economia educação história internacional mídia opinião politica e sociedade sem categoria socialismo e capitalismo
false
ltr
item
Panorâmica Social: Um novo mundo não-estadunidense no horizonte
Um novo mundo não-estadunidense no horizonte
http://lh4.ggpht.com/-8vfzAHyW8qQ/U9cj5Dyg48I/AAAAAAAAHk0/KGtPwXt4_kY/image_large%25255B1%25255D.jpg?imgmax=800
http://lh4.ggpht.com/-8vfzAHyW8qQ/U9cj5Dyg48I/AAAAAAAAHk0/KGtPwXt4_kY/s72-c/image_large%25255B1%25255D.jpg?imgmax=800
Panorâmica Social
http://www.panoramicasocial.com.br/2014/07/um-novo-mundo-nao-estadunidense-no.html
http://www.panoramicasocial.com.br/
http://www.panoramicasocial.com.br/
http://www.panoramicasocial.com.br/2014/07/um-novo-mundo-nao-estadunidense-no.html
true
650628655076264791
UTF-8
Nenhuma postagem encontrada VER TODAS Continue Responder Cancelar resposta Delete Por Início PÁGINAS POSTS ver todas RELACIONADAS Categorias ArquivoE PESQUISAR TODAS AS POSTEAGENS Sua busca não gernou nenhuma postagem Voltar para o início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mar Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora Há 1 minuto Há $$1$$ minutos Há 1 hora Há $$1$$ horas Ontem Há $$1$$ dias Há $$1$$ semanas Há mais de 5 semanas Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy