A indústria das cesarianas no Brasil

Por que o Brasil é o campeão de cesarianas no mundo? Essa questão voltou à baila hoje, com a notícia de que uma jovem de 29 anos, que preten...

Por que o Brasil é o campeão de cesarianas no mundo? Essa questão voltou à baila hoje, com a notícia de que uma jovem de 29 anos, que pretendia ter parto normal, foi obrigada a fazer cesariana, sob alegação de que tanto ela quanto o bebê corriam riscos.

O caso aconteceu na cidade de Torres, a 193 quilômetros de Porto Alegre. Adelir Carmem Lemos de Goes, grávida de 42 semanas, chegou a fugir do hospital quando soube que os exames indicavam a necessidade da cirurgia. Seria a terceira vez que ela tentaria ter parto normal, e a terceira vez que a chance lhe seria negada.

Num caso extremo, a médica Andreia Castro então entrou em contato com o Ministério Público, que determinou que Adelir fosse buscada em casa para fazer a cesariana mesmo contra a vontade.

Cesariana deixou de ser exceção e virou regra

O caso suscita diversos tópicos polêmicos, como por exemplo, até que ponto existe o direito da mãe decidir pelo parto normal contrariando a recomendação médica, mas eu prefiro pegar um outro gancho: os médicos brasileiros andam recomendando cesarianas demais...

A doutora Andreia Castro, que examinou Adelir, disse que o bebê estava numa posição perigosa para o parto normal, que é uma das indicações para cesariana. Porém, tanto o marido quanto a doula de Adelir afirmam que lhe fizeram um ultrassom, mas não mostraram que o bebê estava realmente em posição arriscada para o parto normal.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, o índice de cesarianas não deve ultrapassar a 15 por cento de todos os partos, só indicadas em casos de extremo risco de vida tanto para o bebê quanto para a mãe. Isso porque a própria cesariana proporciona um risco de morte seis vezes maior para ambos do que o parto natural. É o tipo de informação que muitas mães não têm ao optarem pelo parto cirúrgico por medo ou comodidade, com a conivência dos médicos. Por isso é preciso buscar respostas para o número tão elevado de taxas de cesarianas no país, que em vez de 15, pode chegar a 52 por cento atualmente (se formos considerar apenas as clínicas particulares esse número é ainda maior, podendo chegar a 80 por cento). Por que isso acontece?

Mercantilismo na medicina

Por conveniência. Não para a mãe, é claro, que sofre os riscos, mas para os médicos. As cesarianas agendadas não respeitam a cronologia natural do corpo, já que o trabalho de parto pode chegar nas horas mais inesperadas – e inconvenientes – além de poderem demorar até horas. Então é muito mais cômodo para o obstetra poder abrir a barriga num dia determinado e resolver o problema em alguns minutos, sem levar em conta todos os riscos e problemas que isso pode gerar para o futuro desenvolvimento da criança.

Outra questão é: o hospital recebe mais do plano de saúde por uma cesariana do que por um parto normal. Além do mais, um parto normal pode demorar 12 horas, tirando do médico a possibilidade de atender outros pacientes (pacientes = dinheiro), além de ocupar mais leitos por mais tempo. É assim que funciona a medicina sob a lógica mercantilista.

Segundo Ana Cristina Duarte, obstetriz, coordenadora do Grupo de Apoio à Maternidade Ativa (GAMA), a questão do pagamento por produtividade pesa:

Muitos plantões médicos são remunerados por produtividade, ou seja, se nascer no plantão, a grana vai para aquele plantão. Se não nascer antes de terminar o plantão, se passar para o plantão seguinte, quem ganha o valor do parto é a equipe do plantão seguinte. O médico que passou o dia ali aguardando o parto e resolveu não operar, não ganha nada.

Além disso influencia o que se chama “Limpeza de Plantão”:

Prática que ocorre em muitos hospitais, onde o obstetra opera todas as mulheres antes de terminar o plantão, para terminar o dia com tudo "limpo", sem mulheres em trabalho de parto para a equipe que assume em seguida. Também acontece muitas vezes perto das 23h-0h, para que a equipe possa ir dormir sem ser incomodada durante a noite.

Desde os anos 90 vem-se tentando criar medidas de conscientização para humanizar o processo de gravidez e parto no país, mas parece que os métodos não vêm sendo muito produtivos. Até hoje a desumanização do atendimento médico no Brasil é público e notório, por uma série de razões que precisam ser atacadas urgentemente pelo Ministério da Saúde. É inconcebível qualquer tipo de política pública de um país que deixe em segundo plano a questão da Saúde de seus cidadãos.

   Veja também: Famílias acusam médicos do SUS de cobrar até R$ 1,4 mil por cesárea

COMENTÁRIOS

Nome

economia educação história internacional mídia opinião politica e sociedade sem categoria socialismo e capitalismo
false
ltr
item
Panorâmica Social: A indústria das cesarianas no Brasil
A indústria das cesarianas no Brasil
Panorâmica Social
http://www.panoramicasocial.com.br/2014/04/a-industria-das-cesarianas-no-brasil.html
http://www.panoramicasocial.com.br/
http://www.panoramicasocial.com.br/
http://www.panoramicasocial.com.br/2014/04/a-industria-das-cesarianas-no-brasil.html
true
650628655076264791
UTF-8
Nenhuma postagem encontrada VER TODAS Continue Responder Cancelar resposta Delete Por Início PÁGINAS POSTS ver todas RELACIONADAS Categorias ArquivoE PESQUISAR TODAS AS POSTEAGENS Sua busca não gernou nenhuma postagem Voltar para o início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mar Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora Há 1 minuto Há $$1$$ minutos Há 1 hora Há $$1$$ horas Ontem Há $$1$$ dias Há $$1$$ semanas Há mais de 5 semanas Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy