Corrupção como distração de problemas maiores

Aqui no Panorâmica Social, eu já falei uma vez sobre um artifício da retórica muito utilizado para desviar a atenção de um assunto para outro, no intuito de ocultar a verdade. Trata-se do Arenque Defumado (veja AQUI). A  grande imprensa e os governos neoliberais são mestres nesta estratégia. Um de seus arenques defumados preferidos é martelar o problema da corrupção: como é conveniente concentrar todos os problemas político-econômicos e incompetências governamentais num único e genérico alvo! O país não cresce? Culpa da corrupção. Nossos governantes não atuam como deveriam? Culpa da corrupção. A pobreza aumenta? Culpa da corrupção. Mas a corrupção nem de longe é a principal fonte de nossos males, como veremos.

Corrupção e crescimento

Se olharmos alguns dados econômicos sobre o assunto, talvez nos surpreendamos de como temos ouvido coisas que não correspondem necessariamente à realidade.

Vamos quebrar alguns paradigmas: corrupção não é coisa somente de países pobres. Nem é uma prática recente. Muitos países que hoje são ricos conviveram com altas taxas de corrupção enquanto desenvolviam suas economias no passado. Exemplos? Dois dos maiores baluartes do capitalismo atual: Inglaterra e Estados Unidos.

Robert Walpole, primeiro-ministro inglês, foi acusado de corrupção no Parlamento já no longínquo ano de 1730, e ainda admitiu que tinha muitos ganhos pecuniários advindos de sua privilegiada função. Na Inglaterra, como também na França, a venda de cargos públicos era comum até o início do século XIX. Nessa época também prevalecia o clientelismo. O representante do governo chegava a ser chamado de Secretário do Clientelismo, porque a ele cabia distribuir os cargos entre os favorecidos.

Nos Estados Unidos, o sistema de benesses – quando a direção das lucrativas empresas públicas era distribuída aos leais apoiadores do governo – perdurou durante quase todo o século XIX. Foi a época que os Estados Unidos mais cresceram economicamente.

Óbvio que não estou alegando que a corrupção deva ser vista como algo a ser ignorado. Mas ter a corrupção como alvo permanente de ataques por parte da mídia, do empresariado e de alguns políticos deve ser visto com grande desconfiança, um equívoco, para dizer o mínimo. Ao mesmo tempo que existem países que fracassam por causa das altas taxas de corrupção, como o Zaire e o Haiti, também existem países bem sucedidos e também muito corruptos, como a Itália, o Japão, a Indonésia, Coreia do Sul, Tailândia, e (pasmem) até a China, além dos já citados casos de países corruptos no passado que deram certo, como Inglaterra e Estados Unidos (o que não quer dizer que não tenham altas taxas de corrupção até hoje). Logo vemos que o impacto da corrupção no desenvolvimento econômico não é determinante. Por que então existe essa fixação pela corrupção como fonte de todos os males?

O arenque defumado da corrupção

Para responder essa questão precisamos recorrer a um especialista. Ha-Joon Chang é um renomado economista de Cambridge e tratou desse assunto em um dos capítulos de seu livro: Os Maus Samaritanos*. Segundo ele diz, de forma até surpreendente, o mais importante não é se um país é muito corrupto ou pouco corrupto, e sim, se o suborno, que é fruto dessa corrupção, fica dentro do país, ajudando a movimentar o mercado nacional – pois ao abrir uma empresa, comprar ações, contratar uma babá para seus filhos ou até uma mansão com o dinheiro de alguma grande empresa ou corporação corruptora, os corruptos estão também “investindo” –, ou se é remetida para fora do país, em contas particulares em Paraísos Fiscais, por exemplo, desfalcando a economia em vez de fortalecê-la.

Recentemente, o site da Carta Maior publicou um dado interessantíssimo: “A sonegação dos ricos é 25 vezes maior que a corrupção nos países em desenvolvimento”. O montante chega a um trilhão de dólares. E para onde vai essa montanha de dinheiro? Ganhou um doce do coco quem disse: Paraísos Fiscais. Com isso o dinheiro não movimenta a economia e os governos deixam de arrecadar impostos, além de não poderem investir em setores essenciais, como geração de empregos.

Percebem o cheiro forte de arenque defumado? Enquanto focamos todas as nossas atenções na corrupção, deixamos de perceber que a sonegação causa estragos muito maiores na economia dos países em desenvolvimento – para ser mais preciso, 25 vezes mais estragos.

Escondendo o fracasso do capitalismo

Outra razão pela qual os economistas do mainstream, os colunistas da mídia e outros grupos ligados aos setores financeiros gostam de dizer que todos os nossos problemas são fruto da corrupção é porque isso oculta o fato de que o sistema capitalista não foi capaz de diminuir a miséria e a desigualdade, ao contrário do que nos dizem. Por isso, se as coisas não funcionam, não é porque o neoliberalismo é um fracasso social, e sim porque “a corrupção não permite que o país se desenvolva como deveria”. Prático, não? Além disso, para resolver o problema da corrupção, os neoliberais pedem menos governo e mais mercado, como se a corrupção fosse um problema apenas do setor público, o que nem de longe corresponde aos fatos. Na verdade, além de serem mais corruptas, as empresas do setor privado são as maiores corruptoras.

Portanto, quando vir pessoas ou grupos alarmando as graves consequências da corrupção de forma tão insistente, desconfie. Pode ser que elas tenham outros interesses por trás dessa atitude. Nesse caso, a corrupção não passa de um belo arenque defumado que vai desviar a sua atenção de outros problemas bem mais importantes.

__________________

* CHANG, Ha-Joon. Os maus samaritanos: o mito do livre-comércio e a história secreta do capitalismo. Ed. Campus. Rio de Janeiro. 2008

Postagens mais visitadas deste blog

Voz de prisão. Na teoria, uma coisa, na prática, outra bem diferente

Qual é o termo gentílico mais adequado para quem nasce nos Estados Unidos?

Deputados contra a Reforma da Previdência: consciência política ou barganha pelas emendas parlamentares?

Como os homens manipulam a “vontade de Deus” de acordo com suas necessidades: a questão do lucro