Estados Unidos, um país maniqueísta

Os Estados Unidos são um país de controvérsias, e isso ninguém pode negar. Seu passado é repleto de injustiças e crimes contra a humanidade, mas apesar de não atenuar o caso, isso não é uma exclusividade tipicamente estadunidense – muitos países que hoje estão na liderança da economia mundial tem a sua conta de perversidades a pagar. Seu governo é responsável por impor ao mundo uma ordem mundial cruel em favor do mercado, bem como a padronização da diversidade cultural mundial em favor de uma pobre cultura de massas, que aniquila as seculares culturas mundiais. Mas também contam com um próprio povo rico em diversidade, criatividade e de extroversão, que esteve na vanguarda dos movimentos de contracultura e que foram às ruas nos anos 60 parar uma guerra insana contra o Vietnã, para ficar apenas em um exemplo.

Um país de contradições

Amados ou odiados, talvez esteja nessas ambiguidades a raiz de uma completa esquizofrenia que permeia tudo o que se refere à maior potência do planeta. Ao mesmo tempo em que produzem ciência e tecnologia de ponta, com uma história repleta de grandes inventores (e também plagiadores), eles contam com uma população cristã que está entre as mais fanáticas e obscurantistas do mundo. Ao mesmo tempo em que se consideram a nação mais livre e democrática, mantêm a maior população carcerária do planeta, com mais de 2 milhões de presos. E a lista não teria fim se tivéssemos que enumerar as diversas contradições norte-americanas.

Mas uma das mais curiosas bipolaridades estadunidenses diz respeito à moralidade. Vemos nos filmes, por exemplo, um retrato frequente de um país progressista, liberal, tolerante e aberto com relação à sexualidade e ao corpo, com diversas cenas de nudez, sexo, onde quase não existem tabus nos relacionamentos entre as pessoas. Mulheres entrando normalmente em banheiros masculinos sem causar nenhum escândalo; homens sendo abordados por mulheres “atiradas” nas ruas, sem que isso cause os comentários negativos que vemos no Brasil, por exemplo; festas universitárias onde chegamos a pensar que a grande vantagem de estudar nelas é pela possibilidade de sexo fácil… Esse é o retrato que os filmes querem divulgar. Mas a realidade no país é bastante diferente disso, como era justamente de se esperar.

Um fotógrafo chamado Allen Henson está sendo processado atualmente pelos administradores do famoso Empire State Building, por ter feito a imagem abaixo no 86º andar do prédio:

empire state topless

Os responsáveis pelo processo alegam que suas fotos foram "inadequadas" em um local que é atração turística para muitas famílias – apesar de Allen alegar ter se certificado de que não existiam crianças por perto. Na ação protocolada na Corte Suprema do Estado de Nova York, as empresas esperam receber nada menos que US$ 1,1 milhão (R$ 2,5 milhões).

Eis os Estados Unidos da América. Alguns países desenvolvidos conseguiram alcançar um patamar onde as classes mais conservadoras caminham para mais perto da visão dos grupos mais progressistas, mas no gigante da América do Norte, ainda prevalecem as dicotomias entre uma das sociedades mais avançadas do mundo e também uma das mais tradicionalmente conservadoras.