Nossa internet é tão ruim que o governo quer investir no setor

Velocidade de InternetInternet é só um mero negócio de venda de serviço privado ou também faz parte de uma estratégia nacional de desenvolvimento? A resposta a esta pergunta é determinante para que o governo tome ou não uma medida futura sobre o modelo de banda larga que é fornecido no Brasil.

A falta de investimentos das empresas de internet privadas no país e a consequente queda de qualidade fizeram com que os parlamentares brasileiros discutissem a possibilidade da Lei Geral de Telecomunicações (Lei 9472/1997) ser alterada para permitir investimentos públicos diretos. Atualmente o setor é exclusivamente operado por empresas privadas, e acredito que não haja muita gente satisfeita com ele. (Responda à enquete ao lado).

O Brasil tem realmente ficado pra trás em comparação até com países em situação econômica mais desfavorável. As promessas dos privatistas tucanos em 1998 eram de revolucionar a telefonia e a internet no país com as privatizações, mas passados 15 anos desde as entregas operadas pelo governo FHC, nossa internet é lenta, apresenta falhas, não fornece a quantidade de MB que promete, e ainda assim é uma das mais caras do mundo. A internet de banda larga ainda só cobre 60 por cento dos municípios brasileiros, e o governo estuda uma forma de interferir nesse descaso das empresas privadas para garantir a universalização e a qualidade do serviço. Segundo um estudo da ONU, para cada 10 por cento que um país investe na democratização da internet, o seu PIB cresce 1 por cento. Não é pouca coisa, e países como a Coreia do Sul, que tem a internet mais eficiente do mundo, contam com total investimento do governo. Só em 2007, por exemplo, a Coreia gastou 3,7 do seu PIB em ciência e tecnologia, e os resultados são claros no crescimento do país.

É aquele velho dilema: investimentos custam caro, e empresários não pensam na questão estratégica do serviço e sim em termos de lucro e prejuízo. Já o governo, que cedera à pressão privatista neoliberal nos anos 90, agora corre o risco de ficar pra trás no mundo com uma internet cara e ineficiente que não inclui a população brasileira na era da informação, se não quiser interferir diretamente no setor. Dentre estas duas propostas, uma os empresários ganham, a outra quem ganha é a população.

_____________________

http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2013/10/09/mudanca-para-garantir-investimento-publico-e-expandir-banda-larga-gera-divergencias

http://www.tecmundo.com.br/internet/17506-por-que-a-coreia-do-sul-tem-a-melhor-internet-do-mundo.htm

Postagens mais visitadas deste blog

Voz de prisão. Na teoria, uma coisa, na prática, outra bem diferente

Qual é o termo gentílico mais adequado para quem nasce nos Estados Unidos?

Deputados contra a Reforma da Previdência: consciência política ou barganha pelas emendas parlamentares?

Como os homens manipulam a “vontade de Deus” de acordo com suas necessidades: a questão do lucro