Panorâmica Social

Denúncia das injustiças da plutocracia brasileira e mundial

22 de julho de 2013

JMJ caiu do céu para as elites brasileiras

dilma e o papa

Ao contrário do que muita gente pensa, os verdadeiros ateus não têm uma postura radical e definitiva com relação à existência ou inexistência de deus. A grande maioria, depois de uma reflexão de anos e uma busca frustrada por evidências, concluiu que é muito improvável (e aqui o termo é usado de forma precisa) que ele exista. Mas isso não quer dizer que as buscas tenham terminado – o ateu vive a expectativa de sempre poder ter uma prova de que deus exista realmente.

Aqui, vamos supor que essa tão esperada evidência decisiva tenha sido encontrada, e que todos nós tenhamos descoberto que ele esteve aqui esse tempo todo. Mas então, de que lado ele estaria?

Ao admitir que ele tenha existido de fato e que, tal como creem os teístas, influenciado no curso dos acontecimentos históricos, então o nosso suposto deus parece que tem uma atitude “política” das mais questionáveis…

Vamos ver alguns rápidos exemplos ao longo de sua “existência”, do que ele teria sido capaz para manter a “ordem” estabelecida.

Começamos logo pela Bíblia, onde ele ainda era mais conhecido como “Jeová”, falava diretamente com seus escolhidos na Terra e não se furtava a lançar dilúvios, ataques aéreos, maldições e pragas contra a “oposição”, de acordo com  os relatos do Antigo Testamento. No Novo Testamento, por alguma razão – talvez influenciado por algum consultor de marketing celestial – ele resolve sair de cena e deixa os encargos terrenos a serviço do seu  filho e relações-públicas, que traz novos slogans politicamente corretos, como “amor” e “perdão”. A tática parece que não funciona muito bem a princípio, pois seu garoto-propaganda é literalmente crucificado.

Mas ele não desiste e faz uma última aparição para explicar a Paulo de Tarso como deve funcionar o seu “partido”. Paulo então resolve espalhar as “boas novas” pelo Império Romano, e apesar de ter um fim também inglório, consegue mostrar às elites romanas o papel que aquela religião política poderia cumprir no apaziguamento das paixões populares, e assim a Igreja se firma como o “partido” do Ocidente.

Deus age por meios misteriosos

Tal como os Estados Unidos, que durante a Guerra Fria executaram opositores e derrubaram governos indesejáveis através do seu serviço secreto, parece que deus também passou a ser adepto dessa tática: em vez de vir pessoalmente e executar seus planos malignos como na época do AT, agora ele resolveu agir de forma “misteriosa”, “imponderável”, para atingir seus objetivos.

Aqueles derrames “milagrosos” que fulminaram Lênin em plena atividade política, que jogou a “detestável e ateia” União Soviética nas mãos do questionável Stalin; a misteriosa doença que matou Tancredo Neves bem no momento em que ele se preparava para assumir a presidência do Brasil sob enorme expectativa popular, mantendo assim o poder nas mãos daqueles mesmos que deram o golpe de estado em nome de “deus, da pátria e da família” em 1964; a série de problemas de saúde de diversos líderes progressistas da América Latina, que colocavam em risco “a ordem conservadora” e a “moral da família”, e que vitimou o maior líder de todos eles, Hugo Chávez, para ficar só em alguns exemplos, poderiam ser colocados na conta da “providência divina”?  Acredite, muitos cristãos pensam que sim…

Bendita seja a Jornada Mundial da Juventude

O último e intrigante exemplo acontece bem neste momento. Desde junho, o povo brasileiro resolveu sair da sua tradicional inércia e dar um basta nos abusos praticados pelos homens do poder político e econômico. Milhões de pessoas saíram nas ruas para exigir mudanças nessa “ordem” que vige há mais de 500 anos no país. E no instante em que as elites brasileiras já não sabiam mais o que fazer, no momento em que a imprensa se esmerava em desqualificar de todas as maneiras os atos dos manifestantes como um último recurso desesperado antes de exigir um novo golpe militar, eis que surge a providencial e oportuna Jornada Mundial da Juventude. 

Que oportunidade fantástica deus programou em toda a sua gloriosa onipotência – lembramos que a JMJ estava marcada desde antes dos protestos começarem pra valer, mas deus já sabia disso e antecipou-se aos eventos, é claro – para jogar um balde de água fria na população! Com a presença do novo papa no país, a juventude brasileira esquece por um momento seu sofrimento e cai na fantasia do aconchego espiritual; a imprensa, por sua vez, enxerga uma maravilhosa oportunidade de distrair as pessoas 24 horas por dia em seus telejornais com a cobertura do evento, mostrando casos incríveis de peregrinos que deixaram os problemas pra trás em busca de uma bênção; e as elites brindam satisfeitas, porque, apesar do papa ter falado recentemente que as manifestações são legítimas – o que ele fala da boca pra fora, porém, não representa a vontade de deus, como deixou bem claro os caciques do Vaticano no episódio em que o desmentiram no caso das boas ações que levam ao céu –, ou que ele surpreenda e faça um discurso ousado nessa semana, as tropas de choque, as polícias e até o Exército estão prontos a detonar qualquer manifestação enquanto Sua Santidade estiver em solo pátrio.

A conclusão que podemos chegar é: ao contrário do que algumas pessoas de bom coração pensam, não são os bons cristãos como Leonardo Boff – “por acaso”, um excomungado da Igreja – um Frei Beto, ou um pastor Ricardo Gondim os verdadeiros representantes do cristianismo; se formos olhar bem a atuação e a linha “política” de deus nas suas últimas ações, podemos concluir que Valdemiro Santiago, Edir Macedo, Maluf, Sarney, Marco Feliciano, Jair Bolsonaro e outros representantes das classes conservadoras e moralistas são, de fato, os verdadeiros beneficiários e representantes da divindade no Brasil.

Se deus existe, ele é de direita.

3 comentários:

  1. Não espero nenhuma prova que Deus exista, para mim, isso é algo indiferente... e realmente o JMJ foi ótimo para desviar a atenção dos brasileiros...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem sombra de dúvidas meu amigo. Mas pelo menos aqui no Rio, tendo em vista as manifestações, parece que não deu muito certo...

      Grande abraço.

      Excluir
  2. Pura verdade o que você disse. A atenção foi desviada, e um monte de coisas maquiadas para a passagem do Papa, e no final a maquiagem já se vai e a realidade volta, agora os protestos espero que voltem com a força e mude alguma coisa mesmo sendo ex-militante do pt, acho que é uma decepção essa administração, principalmente depois das manifestações, fiquei um pouco ou muito cego.

    ResponderExcluir

Leia nossos Termos de Uso