Movimento Zapatista, o embrião do movimento anticapitalista atual

  A onda neoliberal que varreu diversos países da América Latina nos anos 90 foi ainda mais destrutiva no México. O acordo de livre comérc...

Movimento Zapatista
 
A onda neoliberal que varreu diversos países da América Latina nos anos 90 foi ainda mais destrutiva no México. O acordo de livre comércio dos países da América do Norte (NAFTA) e a revogação do Artigo 27 da Constituição revolucionária mexicana de 1917 selou o desmonte dos ejidos, uma conquista dos tradicionais indígenas camponeses mexicanos. A solução encontrada foi a revolta, o protesto, a guerrilha. Mas de uma forma diferente do que até então se conhecia.
 
Em 1º de janeiro de 1994, à meia-noite, o presidente mexicano Carlos Salinas brindava com correligionários num resort particular na costa do Pacífico a entrada em vigor do NAFTA (Salinas assinando o acordo na imagem à direita). No mesmo dia, na mesma hora, a 800 quilômetros dali, 3 mil camponeses indígenas com máscaras de esquiar saíram das florestas de Chiapas e marcharam sobre 7 cidades do estado mais pobre do México. Em San Cristóbal de las Casas, fincaram a bandeira preta com quatro letras vermelhas do movimento: EZLN, Exército Zapatista de Libertação Nacional. Era o começo do que para muitos foi considerada a primeira revolução pós-moderna.

A resposta do governo Salinas foi rápida e violenta. Quinze mil soldados foram para Chiapas, matando 150 pessoas, e em 24 horas os guerrilheiros foram dispersados para as florestas. Mas o apoio inesperado da população aos zapatistas fez o governo cessar-fogo contra o movimento. Mais do que isso: depois de dois anos de negociações, os zapatistas conseguiram um conjunto de medidas conhecido como Acordos de San Andrés [1], e o reconhecimento mundial da sua causa. Esse tratado estava longe de ser uma maravilha, mas garantia que as comunidades indígenas tivessem autonomia, na forma política e social que bem entendessem, com base em suas tradições. No futuro, vários movimentos internacionais iriam se inspirar nesse modelo para criticar o neoliberalismo, entoando pelo mundo o “Já Basta!”, famoso lema dos zapatistas.

Em 2001, repleto de esperanças, o exército zapatista marchou mais de 3 mil quilômetros das selvas de Chiapas até a Cidade do México, para acompanhar a votação do Acordo. Infelizmente, o Congresso o aprovou com tantas emendas que os zapatistas a rejeitaram prontamente. Consideraram uma traição do governo e se retiraram de volta para a selva Lancadona, onde estão até hoje.
 

O que há de diferente no movimento zapatista

Apesar disso, desde 1994 as zonas autônomas continuam funcionando. Elas elegem seus próprios governantes, fazem suas leis e recusam ajuda do governo até que os Acordos de San Andrés se tornem lei. Mas o que esse movimento tem de tão diferente que chamou a atenção do mundo?
 
Os zapatistas surgiram com ideias novas, diferentes dos movimentos políticos de derrubada de governo e revolução violenta. Eles acreditam que o poder não deve simplesmente ser trocado de mãos, saindo do controle das elites para o povo e sim ser dissolvido ao nível das comunidades. Seria um resgate de uma “verdadeira democracia”, um modelo fragmentário de política bem ao gosto pós-moderno.

A revolução zapatista chamou a atenção do mundo quando em 1996 os guerrilheiros convidaram rebeldes e insatisfeitos do mundo a encontrá-los em Chiapas, para um “Encontro Internacional pela Humanidade e contra o Neoliberalismo”. Mais de três mil pessoas de todos os cantos do planeta compareceram. O Encuentro espalhou os ideais zapatistas pelo mundo, e no ano seguinte, foi realizado outro Encuentro dessa vez na Espanha. Era o nascimento do movimento antiglobalização que conhecemos hoje. No próximo post vamos ver mais de perto a repercussão desse movimento nas recentes manifestações contra o capitalismo pelo mundo. (leia aqui em: Superação do Capitalismo: uma certeza, muitas dúvidas)
 
 

[1] KINGSNORTH, Paul. Um não, muitos sins – uma viagem aos centros de antiglobalização. Ed. Record: Rio de janeiro, 2006

COMENTÁRIOS

Nome

economia educação história internacional mídia opinião politica e sociedade sem categoria socialismo e capitalismo
false
ltr
item
Panorâmica Social: Movimento Zapatista, o embrião do movimento anticapitalista atual
Movimento Zapatista, o embrião do movimento anticapitalista atual
http://lh3.googleusercontent.com/-N8UBQFohtlM/VY6uMlirBCI/AAAAAAAAI-Q/oTxdTYFFc78/140521-sub-marcos%25255B5%25255D.jpg?imgmax=800
http://lh3.googleusercontent.com/-N8UBQFohtlM/VY6uMlirBCI/AAAAAAAAI-Q/oTxdTYFFc78/s72-c/140521-sub-marcos%25255B5%25255D.jpg?imgmax=800
Panorâmica Social
http://www.panoramicasocial.com.br/2012/05/movimento-zapatista-o-embriao-do.html
http://www.panoramicasocial.com.br/
http://www.panoramicasocial.com.br/
http://www.panoramicasocial.com.br/2012/05/movimento-zapatista-o-embriao-do.html
true
650628655076264791
UTF-8
Nenhuma postagem encontrada VER TODAS Continue Responder Cancelar resposta Delete Por Início PÁGINAS POSTS ver todas RELACIONADAS Categorias ArquivoE PESQUISAR TODAS AS POSTEAGENS Sua busca não gernou nenhuma postagem Voltar para o início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mar Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora Há 1 minuto Há $$1$$ minutos Há 1 hora Há $$1$$ horas Ontem Há $$1$$ dias Há $$1$$ semanas Há mais de 5 semanas Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy