Panorâmica Social

Denúncia das injustiças da plutocracia brasileira e mundial

24 de novembro de 2011

Pela primeira vez, Brasil poderá ter imposto sobre fortunas para financiar a Saúde Pública.

esmola_saude_publica Você está cansado de pagar impostos? Você tem razão. O Brasil é o país onde a carga tributária é uma das mais pesadas no mundo. Mas os ricos até pouco tempo não contribuíam proporcionalmente à sua renda, ficando livre de grandes impostos sobre a fortuna. Mas isso está prestes a acabar.


kassab_saudejt Todo mundo sabe que a Saúde Pública no Brasil vai de mal a pior. Quem precisa de atendimento nas emergências e nos postos de saúde sabe muito bem o que é passar um inferno em busca de atendimento. Pra piorar, o Ministério da Saúde acaba de informar que existe a estimativa de que 1 milhão de brasileiros tenham algum tipo de câncer nos próximos dois anos — e é justamente nos hospitais públicos de alta complexidade que estas pessoas recorrerão.
Para arcar com os custeios de toda essa demanda, o governo está propondo a criação de alguns impostos — e isso já começa a causar alvoroço entre alguns setores da burguesia brasileira.
A classe média brasileira está tão impregnada da ideologia das elites, está tão submetida aos caprichos das classes dominantes, que ecoa roboticamente os protestos dos ricos e poderosos neste país. Nesta última quarta-feira, a Comissão de Seguridade Social e Família aprovou um relatório que traça as mazelas do Sistema Único de Saúde (SUS) bem como algumas possíveis soluções, como aprovar novos tributos para financiar o setor.
Aí você há de pensar, engrossando o grito das elites: “mais um imposto? Já pagamos muitos impostos, não aguentamos mais!!” Quem paga muitos impostos, cara-pálida?
Historicamente, o Brasil resolveu colocar todo o peso de sua carga tributária no consumo, e não na renda. Isso quer dizer que todo brasileiro, seja ele um trabalhador que ganhe um salário mínimo ou o bilionário Eike Batista, paga o mesmo valor de imposto quando consome, por exemplo, um quilo de arroz ou um litro de leite, alimentos essenciais. Se o Brasil optasse pela forma mais justa de tributação, o pobre pagaria menos pelos alimentos básicos, e pelos seus luxos o Eike pagaria mais.
O que o governo pretende agora, caso não recue ante a choradeira das elites reverberadas pela classe-média, é tributar…
…grandes fortunas, como, por exemplo, o patrimônio sobre jatinhos, helicópteros, iates e lanchas, a tributação de remessa de lucros para o exterior, além da criação de um imposto sobre grandes movimentações financeiras (similar à extinta CPMF) para transações acima de R$ 1 milhão. (fonte)
Hoje na rádio CBN, a jornalista Roseann Kennedy disse que acha o assunto “polêmico”, porque o governo “não vem fazer publicamente esta discussão”, o que não é verdade. A jornalista está é muito apreensiva. A seguir, de forma totalmente cínica, afirma que “vem de novo esse fantasma (sic) de tributar novamente mais ainda a população” (!?) (ouça o áudio abaixo)


Tem que ser muito cara-de-pau para tentar jogar uma falácia dessas pra ver se cola. “População”? Que população é essa que tem jatinho particular, grandes fortunas acumuladas, que faz transações acima de 1 milhão e remete lucros para o exterior?? Essa jornalista pensa que nós somos otários não é?
É preciso estarmos atentos a essas mentiras que serão contadas nas redes tradicionais de mídia daqui por diante, para que não sejamos iludidos e possamos defender essa medida importante, que pretende fazer quem ganha mais pagar mais, como deveria ser a lógica. Fique de olho para não cair na conversa das classes dominantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia nossos Termos de Uso