Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2011

Pela primeira vez, Brasil poderá ter imposto sobre fortunas para financiar a Saúde Pública.

Imagem
Você está cansado de pagar impostos? Você tem razão. O Brasil é o país onde a carga tributária é uma das mais pesadas no mundo. Mas os ricos até pouco tempo não contribuíam proporcionalmente à sua renda, ficando livre de grandes impostos sobre a fortuna. Mas isso está prestes a acabar.

Todo mundo sabe que a Saúde Pública no Brasil vai de mal a pior. Quem precisa de atendimento nas emergências e nos postos de saúde sabe muito bem o que é passar um inferno em busca de atendimento. Pra piorar, o Ministério da Saúde acaba de informar que existe a estimativa de que 1 milhão de brasileiros tenham algum tipo de câncer nos próximos dois anos — e é justamente nos hospitais públicos de alta complexidade que estas pessoas recorrerão. Para arcar com os custeios de toda essa demanda, o governo está propondo a criação de alguns impostos — e isso já começa a causar alvoroço entre alguns setores da burguesia brasileira. A classe média brasileira está tão impregnada da ideologia das elites, está tã…

Cinegrafista foi vítima do jornalismo-espetáculo da imprensa brasileira

Imagem
Nesse domingo passado (6/11) aconteceu aquilo que mais cedo ou mais tarde era esperado: um cinegrafista morreu na cobertura de uma ação policial no Rio de Janeiro. A cada ano que se passava, os jornalistas estavam mais envolvidos nas operações, participando ao vivo direto do confronto. Agora, com a morte de Gelson Domingos, emissoras e órgãos representativos de jornalistas prometem rever esse tipo de cobertura.

A tendência de levar o telespectador para dentro dos acontecimentos começou na terra do show business. Nos Estados Unidos, grandes tragédias naturais, perseguições policiais e guerras são cenários perfeitos para repórteres eloquentes e sensacionalistas prenderem a atenção dos telespectadores ávidos pelo jornalismo de espetáculo. Essa tendência foi levada à Guerra do Golfo pela CNN em 1991, seguidas por outras redes como a ABC. Na Guerra do Iraque em 2003, os bombardeios às cidades iraquianas eram aguardados com grande expectativa por câmeras estrategicamente localizadas para m…

O político brasileiro que se tratou no hospital público

Imagem
Nesses tempos em que as pessoas sugerem a políticos que se tratem de suas doenças em hospitais públicos para verem o que é bom pra tosse, o que elas pensariam se soubessem que um deles realmente tivesse feito isso? Diriam “ah, você está brincando não é? Político brasileiro se tratando em hospital público? Conta outra...”. Pois foi exatamente isso o que fez o sociólogo e deputado Florestan Fernandes. Hoje em dia há uma campanha pelas redes sociais pedindo para que Lula, diagnosticado com um tumor na laringe, faça o tratamento pelo SUS. Demagogias ou sinceridades à parte, o fato é que o sistema público de saúde no Brasil é uma vergonha, que não serviria nem para tratar de gado, quanto mais de seres humanos. Há 16 anos atrás, quando o governo neoliberal de FHC sucateou todo o serviço público em nome do estado mínimo (nessa época órgãos de imprensa, engajados no projeto neoliberal, passaram a diminuir o Estado até no nome, grafando-o com “e” minúsculo), a coisa era ainda mais alarmante.…

Sete bilhões de bocas para alimentar

No dia 31 de outubro de 2011, conforme noticiado em todo o mundo, chegamos à marca de 7 bilhões de pessoas no planeta. Está achando muito? Na época os debates causavam grande alarde, levantavam possibilidade de catástrofe e guerras, ressuscitavam teorias malthusianas, um cenário terrível para o futuro. Pois saiba que em 2050 seremos 9 bilhões, e a primeira preocupação que surge é: como alimentar tantos seres humanos? Será que vai faltar comida?Se hoje já existem 1 bilhão de pessoas famintas no mundo — você há de pensar — o que será daqui a 40 anos, com 9 bilhões de pessoas? Pois fique você sabendo que hoje o planeta já seria capaz de alimentar todo esse contingente de pessoas e muito bem. Segundo documentário de Silvio Tendler, (O veneno está na mesa), hoje produzimos três vezes mais comida do que somos capazes de consumir. Então onde está o problema?Má distribuição e desperdícioÉ fácil deduzir: primeiro, o problema está principalmente no sistema econômico mundial, que permite que haj…