O Brasil não é a CBF

copa-america-argentina-2011 Começou mais uma Copa América, evento de seleções de futebol que este ano tem sede na Argentina. Daqui a pouco, às 16 horas, a seleção do Ricardo Teixeira vai entrar em campo, na estréia contra a Venezuela. Mais uma vez, como sempre, não vou torcer para esta seleção. Por quê?

teixeira_ricardo Por uma série de razões. Em primeiro lugar, pelo que a seleção brasileira de futebol se tornou nestas últimas décadas. Deixou de ser um símbolo do melhor futebol do mundo para se tornar um empreendimento particular, presidido pelo corrupto e incompetente Ricardo Teixeira (imagem ao lado). Contratos milionários com fornecedores e patrocinadores fazem a entidade lucrar somas estratosféricas todos os anos, e os clubes, aqueles que gastam na formação dos futuros atletas, não veem a cor do dinheiro.

Em segundo lugar, pela falta de identificação com a seleção. Desde que os atletas passaram a emigrar em massa para o futebol de outros centros, perderam a ligação com os seus clubes de origem e com os torcedores. O grande barato de ver os jogos da seleção era se orgulhar de ter o craque do seu time vestindo aquela camisa amarela. Mas hoje, pelo contrário, dá receio, porque se ele é convocado pra jogar na seleção, você sabe que está mesmo é sendo colocado na vitrine para que seu empresário possa lucrar com a sua venda, enquanto você e seu time ficam chupando dedo.
Além disso, por conta dos contratos, a base de jogos da seleção de futebol tornou-se a Inglaterra. Lá o Brasil atua em quase 100 por cento dos amistosos caça-níqueis que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) arruma, desfalcando os times a troco de nada (leia-se: a troco de milhões de dólares).
patriadechuteiras
Em terceiro lugar, porque não admito esta propaganda midiática que pretende associar a seleção de futebol com a nação, à base de slogans como “Pátria de chuteiras”. Dessa forma, a população brasileira é induzida a esquecer os verdadeiros problemas do dia-a-dia, em troca da emoção da vitória de uma partida de futebol. E se você diz que não torce para a seleção, acusam-no de “antipatriota”, “do-contra”, “alienado” (sic) e outras baboseiras. Além do mais, tem essa rivalidade fabricada com os sul-americanos, especialmente com a Argentina, que acaba extrapolando do futebol e se tornando xenofobia. Recentemente uma amiga da blogosfera, Ana Cecília, chegou de viagem da Argentina, e desde então coloca fotos da sua estadia no país em seu blog de contos, HumorEmConto. Ela pode nos atestar com propriedade o quanto a Argentina é um país maravilhoso - com todos os problemas que um país sul-americano pode ter, é verdade. Seu povo é ligado em cultura, é politizado e apaixonado pelo país, não somente pela seleção. Deveríamos aprender com os argentinos, e deixar as rivalidades para o campo das provocações e bricadeiras.
Não é que eu torça contra o Brasil. Muito pelo contrário. A CBF não é o Brasil. Eu quero muito que o Brasil seja campeão. Mas que seja campeão no acesso à Saúde Pública de qualidade; campeão na erradicação da miséria e do analfabetismo; campeão em bem-estar e respeito ao cidadão; campeão em civilidade, em emprego e renda. E se der tempo, que seja campeão de futebol também.