“Todos somos Khaled Said”. Revolução no Egito faz ditador renunciar

EGYPT
Acaba de renunciar o ditador do Egito, Hosni Mubarak. A Revolução no Mundo Islâmico que começou na Tunísia afastando o ditador Ben Ali acaba de fazer sua segunda vítima. O vice-presidente Omar Suleiman, que também renunciou, entregou o poder a uma Junta Militar que promete promover eleições livres em breve. Outros ditadores na região estão com as barbas de molho.


Hosni Mubarak renunciou à presidência hoje (11/2) depois de 18 dias de protestos populares que exigiam a sua saída pelas ruas do Cairo. O ditador, que fazia o jogo norte-americano no Oriente Médio e seus asseclas americanófilos – dentre os quais o seu vice Suleiman, conhecido no país como “o torturador suave”, que encontrava-se nos Estados Unidos durante a crise – deixa o poder depois de 30 anos.

O que chama a atenção deste evento histórico, é o papel desempenhado pelas redes sociais da internet. A revolução foi deflagrada por jovens trabalhadores no facebook, numa página chamada “Todos somos Khaled Said” – referência a um jovem assassinado pela polícia em Alexandria em junho de 2010 – dando início ao estopim para a maior revolução do mundo islâmico dos últimos tempos. Na Praça Tahir (Libertação, em árabe, doce ironia) a população batalhou contra a polícia e os fantoches reacionários do ditador. O Movimento Juvenil 6 de abril liderou os protestos que acabam de sair vitoriosos. Apesar do silêncio constrangedor do Ocidente, especialmente da França e dos EUA, o povo, sempre ele, foi capaz de conquistar suas metas. Quando o povo quer e está unido, não há nada neste mundo que o detenha. Parabéns ao povo do Egito. Espero que novos dias de paz e prosperidade estejam em seus horizontes.
Fonte:
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=17412


Postagens mais visitadas deste blog

Voz de prisão. Na teoria, uma coisa, na prática, outra bem diferente

Qual é o termo gentílico mais adequado para quem nasce nos Estados Unidos?

Deputados contra a Reforma da Previdência: consciência política ou barganha pelas emendas parlamentares?

Como os homens manipulam a “vontade de Deus” de acordo com suas necessidades: a questão do lucro