Panorâmica Social

Denúncia das injustiças da plutocracia brasileira e mundial

20 de janeiro de 2011

A prática do “breast ironing” na África

breast-ironingHoje eu quero levantar uma questão muito importante. Neste começo de Terceiro Milênio,  a sociedade  e a civilização ocidental relegam a segundo plano explicações científicas – portanto, universais – sobre culturas diferentes das nossas, impossibilitando-nos de fazer qualquer julgamento sobre o que é certo ou errado. Apenas devemos respeitar culturas alheias, pois senão estaríamos impondo nossa “visão de mundo”. 

É por conta deste relativismo exacerbado que deveríamos fechar os olhos contra crimes e violações dos direitos humanos no resto do mundo, cometidos em nome da “cultura”. Geralmente, as mulheres são as grandes vítimas deste tipo de postura.  É muito conhecida a repressão contra a mulher nos países islâmicos, bem como a mutilação sexual de jovens africanas. Mas uma outra prática, menos conhecida, é o “breast ironing” que consiste em desestimular por meio de uso de pedras ou outros objetos em brasa, o desenvolvimento dos seios nas meninas. É este tipo de prática aceitável?

De acordo com estimativas da ONU, por volta de 3,8 milhões de meninas africanas estão sujeitas hoje a sofrer este tipo de ritual, que ocorre com mais incidência no oeste africano, especialmente em Camarões. 50 por cento das garotas nas cidades e 1/4 em todo o país tiveram os seus seios torturados por tal ritual, praticados em grande medida, pelas próprias mães, sob a justificativa de que estariam protegendo suas filhas da cobiça masculina, do estupro e do sexo antes do casamento, pois a deformação dos seios as tornariam menos atraentes. A prática consiste em pressionar contra os seios das jovens (muitas  com apenas 9 ou 10 anos de idade) objetos como pedras ou outros instrumentos aquecidos no fogo, para reverter o desenvolvimento natural dos seios na puberdade.

As consequências de prática tão primitiva (e aqui vai sim um julgamento de valor) é a dor, infecções, assimetria dos seios e muitas vezes a perda de uma ou das duas glândulas mamárias.

Fica difícil entender as razões de tamanha brutalidade, cometidas e defendidas pelas próprias mães das vítimas. Mas de acordo com a visão que impera hoje nos meios acadêmicos e midiáticos, devemos ter uma postura de respeito e de indiferença no que tange as culturas diferentes, pois criticar as diferenças nada mais é do que ver o mundo com as nossas lentes particulares. Eu defendo que cada cultura tenha a sua auto-determinação e liberdade, mas quando estamos falando de violações de direitos humanos, eu penso que não dá para ficarmos alheios. Para maiores detalhes, assista a uma reportagem sobre “breast ironing” (em inglês) abaixo.

6 comentários:

  1. Nossa, imagino a tristeza das meninas de lá :/
    Ótimo post.
    Sucesso com o blog.

    ResponderExcluir
  2. Cara,
    Isso acaba dialogando com aquele post no Perspiciência. Por que as mulheres, em pleno Século XXI, ainda precisam passar por isso?
    E como as organizações mundiais que deveriam estar fiscalizando tal atrocidade consegue fechar os olhos e dormir tranquilamente sabendo de tais atos?
    Realmente tem certas nuances da índole humana que me fazem sentir vergonha.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Eu publiquei no meu blog uma lista com todos blogs interessantes que visitei nos últimos dias, o seu blog está na lista, dá uma passadinha lá e confira. Desde já agradeço pela visita ao meu blog também: http://descansandoamente.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Putz velho, que horror! Nem sabia disso. Olha, concordo com o comentário do Sandro Ataliba aí acima, que as organizações mundiais deveriam SIM fiscalizar certos rituais. Isso não é cultura, é uma atrocidade.

    Gostei do blog e da informação que ele repassa.
    Parabéns!

    www.blogdaesfinge.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olha concordo que é horrível e também sou contra violações dos direitos humanos, acho sim que deva a ver intenvenções nesses casos, mas como você é estudante de história, você deve saber o quanto o estupro de garotas é comum na África, certo?Se já sabia porque não considerou esse ponto?Não estou dizendo que o processo seja válido, mas que entendo o que as mães fazem, com a intenção de proteger as filhas, para elas, antes a filha passar por um processo doloroso feito por elas, do que sofrer com estupros mais tarde.
    Acho que você errou no texto ao não considerar este ponto, não mostrando o contexto geral e informando melhor aos leitores.

    ResponderExcluir
  6. Olá Renata, seja bem vinda.

    Vamos aos pontos:
    Sim, existem muitos casos de estupro na África. E eu não tratei deste assunto especificamente, porque primeiro ele está implícito, já que eu cito em parte do texto que ele é uma das razões principais do "breast ironing, neste trecho em que eu digo: "...cometido pelas próprias mães, sob a justificativa de que estariam protegendo suas filhas da cobiça masculina, do estupro e do sexo antes do casamento". Além do mais o foco aqui é não é no estupro e sim na prática do "breast ironing". Outra coisa: independentemente de haver muitos casos de estupro na África, isto não justifica este ato bárbaro e insano, de estragar as mamas das jovens filhas para "protegê-las", são duas coisas diferentes. Pois então se existem muitos casos de pedofilia no Brasil (pra fazer uma comparação) devemos culpar nossos filhos pequenos, colocando-lhes cintos de castidade, em vez de culpar e punir os agressores? Essa é a lógica que você diz que compreende? Me desculpe, mas se você pensa assim, eu respeito a sua opinião, mas discordo totalmente.

    Grande abraço e obrigado pela participação.

    ResponderExcluir

Leia nossos Termos de Uso